Twitter espalha mais depressa mentiras que verdades

Cientistas do Instituto de Tecnologia do Massachusetts analisaram dados partilhadas no Twitter e chegaram à conclusão de que as informações falsas se espalham mais rapidamente do que as verdadeiras.

Um estudo do Instituto de Tecnologia do Massachusetts (MIT), nos Estados Unidos, concluiu que as informações faltas têm 70% mais probabilidade de serem partilhadas do que a informação verdadeira. Além disso, alcançam muitas mais pessoas.

Os autores deste artigo científico, publicado na Science, analisaram 126 mil dados falsas, verdadeiras ou mistas twittadas acima de 4,5 milhões de vezes por três milhões de pessoas entre 2006 e 2017.

De acordo com o Público, tudo começa quando alguém faz um tweet com uma afirmação que pode incluir um texto escrito, fotografia ou link para um artigo online. Essa informação é depois retwittada por outros utilizadores e assim se forma um efeito de cascata que teve uma única origem.

Os investigadores analisaram essas cascatas através de seis websites de desconstrução de mitos – como o Snopes e o PolitiFact – que as classificaram como informação falsa, verdadeira ou mista.  No final da análise, os cientistas chegaram à conclusão de que a concordância dessa classificação foi entre 95% e 98% .

As cascatas foram ainda estudadas em relação à a sua intensidade (número de retweets) ou a a sua dimensão (número de utilizadores envolvidos nelas ao longo do tempo).

Na origem deste trabalho este o atentado na maratona de Boston que, em abril de 2013, matou três pessoas e feriu acima de 200. De acordo com Soroush Vosoughi , principal autor do estudo, “o Twitter tornou-se a nossa principal fonte de informações”, mas a maior parte do que lê nesta rede social são “dados falsas”.

Vosoughi e mais dois colegas decidiram logo testar a veracidade do Twitter e concluíram que a informação falsa viaja mais, mais depressa e de forma mais intensa do que a verdadeira. Os efeitos são mais significativos nas informações de política do que nos rumores sobre terrorismo, desastres naturais, ciência ou finanças.

Consta no artigo científico que a informação falsa é cerca de 70% mais suscetível de ser retwittada do que a verdadeira. Inclusivamente, a informação verdadeira demora seis vezes mais a atingir 1500 pessoas em contraste com a informação falsa.

Além disso, ao invés da informação verdadeira que muito dificilmente se espalha por acima de 1000 pessoas, as cascatas de informação falsa mais populares conseguem atingir entre 10000 e 100 mil pessoas .

Mas quem são os responsáveis pela propagação de dados falsas? Ao contrário do que seria de imaginar, os utilizadores que as espalham tinham poucos seguidores e seguiam poucas pessoas e eram significativamente menos ativos no Twitter.

“A mentira difunde-se mais e mais depressa apesar destas qualidades, não por causa delas”, aponta o comunicado.

Fonte: ZAP

António Almeida

António Almeida

Licenciado em engenharia Informático e Telecomunicações, mestre em Sistemas e Tecnologias de Informação e doutorando em Informática é um apaixonado por todo o tipo de tecnologia. Apostava na troca de informações e acaba de criar uma rede de informáticos especialistas interessados em tecnologia.

PRÓXIMOS ARTIGOS:

Inscreva-se e Receba Grátis:

  • Últimas Notícias sobre Tecnologia
  • Promoções de produtos e serviços
  • Ofertas e Sorteios de equipamentos
Avaliar Artigo:
[0 Estrelas]

DEIXAR COMENTÁRIO:

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

AVISO:

Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de carácter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.

Categorias:

PROBLEMAS INFORMÁTICOS?
Escolha aqui um serviço!

Este site utiliza cookies para melhorar a sua experiência. Ao continuar a navegar estará a aceitar a sua utilização. Pode consultar mais informação no Centro de Privacidade.