Sistema de informação – 6 coisas que já devia saber

Provavelmente já ouviu falar de termos como sistema de recuperação de informação, armazenamento de informação e sistema de recuperação, sistema de armazenamento de informação, etc…

Sistema de informação é um conjunto integrado de componentes para recolher, armazenar e processar dados de forma a fornecer informação, conhecimento e produtos digitais. Empresas e outras organizações dependem dos seus sistemas de informação para conseguirem executar e gerir as suas operações, interagir com os seus clientes e fornecedores e competir no mercado. Os sistemas de informação são utilizados ​​para executar cadeias de suprimentos interorganizacionais e mercados electrónicos. Por exemplo, as corporações utilizam sistemas de informação para processar contas financeiras, gerir os seus recursos humanos e alcançar os seus potenciais clientes com promoções on-line. Muitas grandes empresas são construídas inteiramente em torno de sistemas de informação com por exemplo:

  • eBay: grande mercado de leilões;
  • Amazon: shopping electrónico em expansão e fornecedor de serviços de computação em nuvem ;
  • Alibaba: mercado electrónico business-to-business;
  • Google: empresa de mecanismos de pesquisa que obtém a maior parte de sua receita com publicidade de palavras-chave nas pesquisas da Internet.

Os governos implementam sistemas de informação para fornecer serviços de maneira económica aos seus cidadãos. Bens digitais como livros electrónicos, produtos de vídeo e software, ou serviços on-line, como jogos e redes sociais, são fornecidos com sistemas de informação. As pessoas confiam nos sistemas de informação, normalmente baseados na Internet, para conduzir grande parte de suas vidas pessoais. Ou seja utilizam sistema de informação para socializar, estudar, fazer compras, utilizar serviços bancários e entretenimento.

Ao longo dos milénios, à medida que novas tecnologias importantes para registo e processamento de informações foram inventadas, as pessoas foram tornando-se mais capacitadas para as utilizar. A invenção da imprensa por Johannes Gutenberg em meados do século XV e a invenção de uma calculadora mecânica por Blaise Pascal no século XVII são apenas dois exemplos. Essas invenções levaram a uma profunda revolução na capacidade de registrar, processar, disseminar e alcançar informações e conhecimento. Por usa vez, isso levou a mudanças ainda mais profundas nas vidas das pessoas, nas organizações empresariais e nos governos dos países.

O primeiro sistema de informação mecânica em grande escala foi o tabulador de censuras de Herman Hollerith. De facto, foi inventado para conseguir processar o censo de 1890 nos EUA. A máquina de Hollerith representou um passo importante na automação, bem como uma inspiração para desenvolver sistemas informatizados de informação.

Um dos primeiros computadores utilizados ​​para esse processamento de informações foi o UNIVAC I. Foi um computador instalado no “US Bureau of the Census” em 1951 para utilização administrativa e na “General Electric” em 1954 para utilização comercial. A partir do final da década de 1970, os computadores pessoais trouxeram algumas das vantagens dos sistemas de informação para as pequenas empresas e para as pessoas em geral. No início da mesma década a Internet começou a sua expansão como a rede global de computadores. Em 1991, a World Wide Web, inventada por Tim Berners-Lee como meio de aceder às informações interligadas armazenadas nos computadores globalmente dispersos ligados pela Internet, começou a funcionar e tornou-se no principal serviço prestado na rede. A penetração global da Internet e da Web permitiu o acesso a informações e outros recursos e facilitou a formação de relacionamentos entre pessoas e organizações numa escala sem precedentes. O progresso do comércio electrónico na Internet resultou num crescimento dramático nas comunicações interpessoais digitais (e-mail e redes sociais), distribuição de produtos (software, música, e-books e filmes) e transações comerciais (compra, venda e publicidade na Web). Com a disseminação mundial dos smartphones, tablets, laptops e outros dispositivos móveis baseados em computadores, todos ligados por redes de comunicação sem fios, os sistemas de informação foram estendidos para suportar a mobilidade como uma condição humana natural.

Como os sistemas de informação permitem atividades humanas mais diversas, exerceram uma profunda influência sobre a sociedade. Esses sistemas aceleraram o ritmo das atividades diárias, permitiram que as pessoas desenvolvessem e mantivessem relacionamentos novos e muitas vezes mais recompensadores, afectavam a estrutura e o mix de organizações, alteravam o tipo de produtos comprados e influenciavam a natureza do trabalho. Informação e conhecimento tornaram-se recursos económicos vitais. No entanto, juntamente com as novas oportunidades, a dependência de sistemas de informação trouxe novas ameaças. Inovação intensiva do setor e pesquisa académica desenvolvem continuamente novas oportunidades, com o objetivo de conter as ameaças.

Sistema de informação - 6 coisas que já devia saber 1

1 – Componentes dos Sistemas de Informação

Os principais componentes dos sistemas de informação são hardware e software de computadores, telecomunicações, bases de dados e data warehouses, recursos humanos e procedimentos. O hardware, o software e as telecomunicações constituem a tecnologia da informação (TI), que agora está enraizada nas operações e na gestão das organizações.

Sistema de informação - 6 coisas que já devia saber 3Sistema de informação - 6 coisas que já devia saber 5

>1.1 – Computador hardware

Hoje, por todo o mundo, não só as pequenas empresas como também muitas famílias, possuem ou alugam computadores. De facto, as pessoas podem ter vários computadores na forma de smartphones, tablets e outros dispositivos portáteis. As grandes organizações normalmente possuem sistemas de computadores distribuídos, desde poderosos servidores de processamento paralelo localizados em data centers até computadores pessoais e dispositivos móveis amplamente dispersos, integrados aos Sistemas de informação organizacionais. Os sensores estão a tornar-se cada vez mais distribuídos em todo o ambiente físico e biológico para recolher dados e, em muitos casos, para efetuar o controlo por meio de dispositivos conhecidos como atuadores. Juntamente com o equipamento periférico, como discos de armazenamento magnéticos ou de estado sólido, dispositivos de entrada e saída e equipamentos de telecomunicações, constituem o hardware dos sistemas de informação. O custo do hardware diminuiu de forma constante e rápida, enquanto a velocidade de processamento e a capacidade de armazenamento aumentaram muito. Esse desenvolvimento tem vindo a acontecer de acordo com a lei de Moore. Ou seja, o poder dos microprocessadores no coração dos dispositivos de computação tem duplicado aproximadamente a cada 18 a 24 meses. No entanto, a utilização de energia elétrica por hardware e o seu impacto ambiental são preocupações tratadas por vários responsáveis. Cada vez mais, os serviços de computação e armazenamento são fornecidos a partir da nuvem (Cloud). Ou seja, a partir de instalações partilhadas acedidas através de redes de telecomunicações.

1.2 – Software de computador

O software de computador possui normalmente duas grandes classes. O software de sistema e o software de aplicação. O principal software do sistema é o sistema operativo. Ou seja, é o software que gere os ficheiros de hardware, dados, programas e outros recursos do sistema e ainda fornece meios para o utilizador controlar o computador, normalmente por meio de uma interface gráfica do utilizador (GUI).O software de aplicação é concebido para lidar com tarefas específicas dos utilizadores. As aplicações para smartphones tornaram-se numa maneira comum das pessoas acederem aos sistemas de informação. Outros exemplos incluem suítes de aplicações de utilização geral com programas de folhas de cálculo e processamento de texto, bem como aplicações “verticais” que atendem a segmentos específicos do setor. Por exemplo, uma aplicação que agenda, encaminha e controla entregas de pacotes para uma determinada operadora. As empresas maiores utilizam aplicações licenciadas desenvolvidas e mantidos por empresas de software especializadas, adaptando-as de forma a atender às suas necessidades específicas e desenvolvendo outras aplicações internas ou subscontratando terceiros. As empresas também podem utilizar aplicações designadas como software-como-serviço (SaaS) da nuvem através da Internet.O software proprietário, disponível e suportado pelos seus fornecedores, está a ser desafiado por software de código aberto disponível na Web para utilização e modificação gratuita com uma licença que protege a sua disponibilidade futura.

1.3 – Telecomunicações

As telecomunicações são utilizadas para ligar por rede sistemas de computadores e dispositivos portáteis para transmitir informações. As ligações são estabelecidas através de infra-estruturas com fio ou sem fio. As tecnologias com fio incluem cabo coaxial e fibra ótica. As tecnologias sem fio, predominantemente baseadas na transmissão de microondas e ondas de rádio, suportam sobretudo a computação móvel. Os sistema de informação difusos surgiram com os dispositivos de computação embutidos em muitos objetos físicos diferentes. Por exemplo, sensores como dispositivos de identificação por radiofreqüência (RFIDs) podem ser ligados a produtos que se movem pela cadeia de suprimentos para possibilitar o controlo da sua localização e a monitorização do seu estado físico. As redes de sensores sem fio, que estão integradas com a Internet, podem produzir enormes quantidades de dados que depois podem ser utilizados ​​na busca de maior produtividade ou na monitorização do ambiente.

Várias configurações de rede de computadores são possíveis, depende sobretudo das necessidades da organização. Redes de locais (LANs) ligam computadores num sítio específico, como um prédio de escritórios ou um campus académico. As redes metropolitanas (MANs) cobrem uma área densamente povoada limitada e são por exemplo a infraestrutura electrónica das “cidades inteligentes”. Redes de longa distância (WANs) ligam data centers amplamente distribuídos, frequentemente utilizados por diferentes organizações. As redes peer-to-peer, não têm um controlo centralizado, permitem uma ampla partilha de conteúdo. A Internet é uma rede de redes que liga biliões de computadores localizados em todos os continentes. Através da rede, os utilizadores têm acesso a recursos de informações, como grandes bases de dados, e a outras pessoas, como colegas de trabalho, clientes, amigos ou pessoas que partilham os mesmos interesses profissionais ou privados. Os serviços do tipo Internet podem ser fornecidos dentro de uma organização e para utilização exclusiva dentro das suas várias intranets acessíveis através de um browser. Ou seja, por exemplo uma intranet pode ser implementada como um portal de acesso a uma base de documentos corporativa partilhada entre os funcionários. Para conseguir ligar-se a parceiros de negócios através da Internet, de maneira privada e segura, as extranets são estabelecidas com base em redes privadas virtuais (VPNs), encriptando as mensagens.

Nos últimos anos tem surgido uma nova tecnologia chamada “Internet das coisas ”. Surgiu sobretudo porque os sensores e atuadores foram amplamente distribuídos pelo ambiente físico e estão a fornecer dados como, a acidez de do solo, a velocidade de um veículo em movimento ou a pressão sanguínea de um indivíduo. A disponibilidade de tais informações permite uma reação rápida quando necessário, bem como a tomada de decisões sustentadas com base no processamento dos dados acumulados em massa.

De facto, a extensa infraestrutura de rede suporta a crescente mudança para a computação na nuvem. Isto tudo permite que os recursos dos sistemas de informação sejam partilhados entre várias empresas, o que aumenta a eficiência e a liberdade na localização dos data centers. A rede definida por software permite o controlo flexível de redes de telecomunicações com algoritmos que respondem às necessidades em tempo real e à melhor disponibilidade dos recursos.

1.4 – Bases de Dados e Data Warehouses

Muitos sistemas de informação são principalmente veículos de entrega para dados armazenados em bases de dados. Uma base de dados é uma coleção de dados inter-relacionados organizados para que os registos individuais ou grupos de registos possam ser recuperados para satisfazer vários critérios. Exemplos típicos de bases de dados incluem registos de funcionários e catálogos de produtos. As bases de dados suportam as operações e funções de gestão de uma empresa. Os data warehouses contêm os dados arquivados, recolhidos ao longo do tempo, que podem ser extraídos de informações para desenvolver e comercializar novos produtos, atender melhor os clientes atuais ou angariar novos clientes. Qualquer pessoa que já tenha comprado alguma coisa com um cartão de crédito, ou pessoalmente ou pela Internet, já está incluída numa dessas coleções de dados.

A recolha e o processamento maciço de dados quantitativos ou estruturados, bem como dos dados textuais frequentemente reunidos na Web, transformaram-se numa ampla iniciativa conhecida como “big data”. Muitos benefícios podem surgir de decisões baseadas nos fatos obtidos pela “big data”. Os exemplos incluem medicina baseada em evidências, economia de recursos com objetivo de evitar desperdícios e recomendações de novos produtos (como livros ou filmes) com base nos interesses do utilizador. A Big Data permite modelos de negócios inovadores. Por exemplo, uma empresa comercial recolhe os preços das mercadorias por meio de crowdsourcing (recolha de vários indivíduos independentes) por meio de smartphones em todo o mundo. Os dados agregados fornecem informações precoces sobre os movimentos de preços, permitindo uma tomada de decisão mais responsiva do que era possível anteriormente.

O processamento de dados de texto como revisões e opiniões articuladas por indivíduos em redes sociais, blogs e fóruns de discussão, permite a análise automatizada de sentimentos para marketing, inteligência competitiva, desenvolvimento de novos produtos e outras finalidades úteis para as tomadas de decisão.

1.5 – Recursos humanos e procedimentos

As pessoas qualificadas são um componente vital de qualquer sistema de informação. O pessoal técnico inclui gestores de desenvolvimento e operações, analistas de negócios, analistas e designers de sistemas, administradores de base de dados, programadores, especialistas em segurança de computadores e operadores de computador. Além disso, todos os trabalhadores de uma organização devem ser formados para conseguirem utilizar as capacidades dos sistemas de informação da forma mais completa possível. Biliões de pessoas por todo o mundo estão a aprender sobre sistemas de informação enquanto utilizam a Internet.

Procedimentos para utilizar, operar e manter um sistema de informações fazem parte da sua documentação. Por exemplo, é necessário estabelecer procedimentos para executar um programa de processamento de salários, quem está autorizado a executá-lo e quem tem acesso à informação. Na computação autónoma, os datacenters são cada vez mais executados automaticamente, com os procedimentos incorporados no software que controla esses mesmos centros.

Sistema de informação - 6 coisas que já devia saber 7

2 – Tipos de Sistemas de Informação

Os sistemas de informação suportam operações, trabalho de conhecimento e gestão nas organizações. A estrutura geral dos sistemas de informação organizacionais é mostrada na figura a seguir. Sistemas de informação funcionais que suportam uma função organizacional específica, como marketing ou produção, foram suplantados em muitos casos por sistemas multifuncionais construídos para suportar processos de negócios completos, como processamento de pedidos ou gestão de funcionários. Tais sistemas podem ser mais eficazes no desenvolvimento e entrega dos produtos da empresa e podem ser avaliados mais de perto em relação aos resultados do negócio. As categorias do sistema de informações descritas aqui podem ser implementadas com uma grande variedade de programas e aplicações.

Estrutura dos sistemas de informação organizacionais Os sistemas de informação consistem em três camadas: suporte operacional, suporte de trabalho de conhecimento e suporte de gerenciamento. O suporte operacional forma a base de um sistema de informações e contém vários sistemas de processamento de transações para projetar, comercializar, produzir e fornecer produtos e serviços. O apoio do trabalho do conhecimento forma a camada intermediária; contém subsistemas para compartilhar informações dentro de uma organização. O suporte de gerenciamento, formando a camada superior, contém subsistemas para gerenciar e avaliar os recursos e metas de uma organização.

2.1 – Suporte operacional e sistemas corporativos

Os sistemas de processamento de transações suportam as operações através das quais os produtos são projetados, comercializados, produzidos e entregues. Em organizações maiores, o processamento de transações é normalmente realizado com grandes sistemas integrados conhecidos como sistemas corporativos. Nesse caso, os sistemas de informação que suportam várias unidades funcionais como vendas, marketing, produção, finanças e recursos humanos, são integrados em sistemas de planeamento de recursos empresariais (ERP), que é o principal tipo de sistema corporativo. Os sistemas ERP suportam a cadeia de valor, ou seja, toda a sequência de atividades ou processos através dos quais uma empresa agrega valor aos seus produtos. Por exemplo, um indivíduo ou outra empresa pode enviar um pedido personalizado pela Web que automaticamente inicia a produção em tempo real de acordo com as especificações do cliente por meio de uma abordagem conhecida como personalização em massa. Isso envolve o envio de pedidos dos clientes para os armazéns da empresa e, talvez, para os fornecedores, a fim de fornecer materiais de entrada a tempo para uma produção de lote personalizada. As contas financeiras são atualizadas de acordo e a logística de entrega e o processo de faturação é iniciado.

Além de ajudar a integrar a cadeia de valor da própria empresa, os sistemas de processamento de transações também podem servir para integrar a cadeia de fornecimento geral da qual a organização faz parte. Isso inclui todas as empresas envolvidas no processo de concepção, produção, comercialização e entrega dos produtos e serviços. Isto, desde as matérias-primas até a entrega final do produto. Um sistema de gestão da cadeia de suprimentos (SCM) gere o fluxo de produtos, dados, dinheiro e informações em toda a cadeia de fornecimento, que começa com os fornecedores de matérias-primas, passa pelos níveis intermediários das empresas de processamento e termina com os distribuidores ou retalhistas. Por exemplo, comprar um produto numa grande loja gera mais do que um recibo na caixa registradora. Essa compra também origina o envio automático de um pedido de reabastecimento para o fornecedor apropriado, que, por sua vez, pode solicitar pedidos aos seus fornecedores. Com um sistema de SCM, os fornecedores também podem aceder à base de dados de inventário de um comerciante pela Web para agendar entregas eficientes e oportunas em quantidades apropriadas.

O terceiro tipo de sistema corporativo, gestão de relacionamento com o cliente (CRM), lida com os clientes da empresa em termos de marketing, vendas, serviços e desenvolvimento de novos produtos. Um sistema de CRM proporciona a uma empresa uma visão unificada de cada cliente e as suas transações com esse cliente. Ou seja, permite um tipo de relacionamento mais consistente e proativo. Em iniciativas de cocriação, os clientes podem estar envolvidos no desenvolvimento dos novos produtos da empresa.

Muitos sistemas de processamento de transações servem para apoiar o comércio electrónico ao longo da Internet. Entre eles, estão os sistemas de compras on-line, e os sistemas de negociação de valores mobiliários. Outros sistemas fornecem informações, serviços educacionais e entretenimento a pedido. No entanto, existem outros sistemas que servem para suportar a pesquisa de produtos com os atributos desejados. Por exemplo, pesquisa de palavras-chave em mecanismos de pesquisa, descoberta de preço através de um leilão e entrega de produtos digitais como software, música, filmes ou cartões. As redes sociais, como o Facebook e o LinkedIn, são uma ferramenta poderosa para dar suporte a comunidades de clientes e utilizadores à medida que eles articulam opiniões, desenvolvem novas ideias e estão expostos a mensagens promocionais. Uma gama crescente de serviços especializados e produtos baseados em informações é oferecida por várias organizações na Web, já que a infra-estrutura de comércio electrónico surgiu à escala global.

Os sistemas de processamento de transações acumulam os dados em bases de dados e armazéns de dados (Data Warehouses) que são necessários para os sistemas de informação de níveis superiores. Os sistemas corporativos também fornecem módulos de software necessários para executar muitas dessas funções de nível superior.

2.2 – Apoio ao trabalho de conhecimento

Uma grande parte do trabalho numa sociedade da informação envolve a manipulação de informações e conhecimentos abstratos que são entendidos neste contexto como uma estrutura organizada e abrangente de fatos, relacionamentos e teorias em vez de processar diretamente, fabricar ou entregar materiais tangíveis. Esse trabalho é chamado trabalho de conhecimento. Existem três categorias gerais nos sistemas de informação que suportam esse trabalho de conhecimento. São elas os sistemas de suporte profissional, sistemas de colaboração e sistemas de gestão de conhecimento.

Sistemas de suporte profissional

Os sistemas de suporte profissional fornecem as facilidades necessárias para executar tarefas específicas de uma determinada profissão. Por exemplo, engenheiros mecânicos utilizam software de engenharia assistida por computador (CAE) juntamente com sistemas de realidade virtual. Servem para os ajudar a projetar e a testar os novos modelos como protótipos eletrónicos. Ajudam a perceber a eficiência do combustível e a proteção de passageiros antes de produzirem os protótipos físicos. Depois utilizem essas ferramentas CAE no projeto e análise de testes físicos. Os bioquímicos utilizam um software de modelagem tridimensional especializado para visualizar a estrutura molecular e o provável efeito de novas drogas antes de investir em longos testes clínicos. Os banqueiros de investimento normalmente utilizam softwares financeiros para calcular as recompensas esperadas e os riscos potenciais de várias estratégias de investimento. De fato, sistemas de suporte especializados estão agora disponíveis para a maioria das profissões.

Sistemas de colaboração

Os principais objetivos dos sistemas de colaboração são facilitar a comunicação e o trabalho em equipa entre os membros de uma organização e entre organizações. Um tipo de sistema de colaboração, conhecido como sistema de fluxo de trabalho, é utilizado para encaminhar documentos relevantes automaticamente para todos os indivíduos de uma organização.

Desenvolvimento, preços e aprovação de uma apólice de seguro comercial é um processo que pode utilizar esse sistema. Outra categoria de sistemas de colaboração permite que indivíduos diferentes trabalhem simultaneamente em um projeto partilhado. Conhecido como groupware, esses sistemas realizam isso permitindo o acesso partilhado controlado, muitas vezes através de uma intranet, aos objetos de trabalho, como propostas comerciais, novos designs ou produtos digitais em andamento. Os colaboradores podem estar localizados em qualquer parte do mundo e, em algumas empresas multinacionais, o trabalho em um projeto continua 24 horas por dia.

Outros tipos de sistemas de colaboração incluem sistemas avançados de e-mail e videoconferência, às vezes com telepresença usando avatares dos participantes. Ainda outro tipo de software de colaboração, conhecido como wiki, permite que vários participantes adicionem e editem conteúdo. (Algumas enciclopédias on-line são produzidas em tais plataformas.) Os sistemas de colaboração também podem ser estabelecidos em plataformas de redes sociais ou sistemas de vida virtual. Na iniciativa de inovação aberta, membros do público, bem como clientes existentes e potenciais, podem ser atraídos, se desejado, para permitir a criação conjunta de novos produtos ou a projeção de resultados futuros.

Sistemas de Gestão do Conhecimento

Os sistemas de gestão do conhecimento fornecem um meio de reunir e atuar sobre o conhecimento acumulado em toda a organização. Tal conhecimento pode incluir os textos e imagens contidos em patentes, métodos de projeto, melhores práticas, inteligência de concorrentes e fontes similares, com a elaboração e comentário incluídos. Colocar os documentos e comunicações da organização em um formulário indexado e com referência cruzada habilita recursos avançados de pesquisa. Numerosos programas aplicações, como o SharePoint da Microsoft, existem para facilitar a implementação de tais sistemas. O conhecimento organizacional é muitas vezes tácito, em vez de explícito, portanto, esses sistemas também devem direcionar os utilizadores para membros da organização com especialização.

2.3 – Suporte de gestão

Uma grande categoria de sistemas de informação inclui aqueles concebidos para apoiar gestão de uma organização. Esses sistemas dependem dos dados obtidos pelos sistemas de processamento de transações, bem como dos dados e informações adquiridos fora da organização (na Web, por exemplo) e fornecidos por parceiros de negócios, fornecedores e clientes.

Sistemas de relatórios de gestão

Os sistemas de informação suportam todos os níveis de gestão, desde os encarregados de cronogramas e orçamentos de curto prazo para pequenos grupos de trabalho até aqueles que se preocupam com planos e orçamentos de longo prazo para toda a organização. Os sistemas de relatórios de gestão fornecem relatórios de informações de rotina, detalhados e volumosos, específicos para as áreas de responsabilidade de cada gestor. Esses sistemas são normalmente usados ​​pelos supervisores de primeiro nível. Normalmente, esses relatórios se concentram em atividades passadas e presentes, em vez de projetar o desempenho futuro. Para evitar sobrecarga de informações, os relatórios podem ser enviados automaticamente somente em circunstâncias excepcionais ou a pedido específico de um gestor.

Sistemas de apoio à decisão e business intelligence

Todos os sistemas de informação suportam a tomada de decisão, ainda que indiretamente, mas Os sistemas de apoio à decisão são expressamente projetados para esse fim. Como esses sistemas estão sendo cada vez mais desenvolvidos para analisar grandes conjuntos de dados (conhecidos como big data), eles estão se tornando conhecidos como business intelligence, ou business analytics, aplicações. As duas principais variedades de sistemas de apoio à decisão são orientadas a modelos e orientadas a dados.

Em um sistema de suporte à decisão orientado por modelo, um modelo pré-programado é aplicado a um conjunto de dados relativamente limitado, como um base de dados de vendas para o trimestre atual. Durante uma sessão típica, um analista ou gestor de vendas conduzirá um diálogo com esse sistema de suporte à decisão, especificando vários cenários hipotéticos. Por exemplo, para estabelecer um preço de venda para um novo produto, o gestor de vendas pode usar um sistema de suporte à decisão de marketing. Ele contém um modelo relacionando vários fatores – o preço do produto, o custo das mercadorias e a despesa de promoção em várias mídias – com o volume de vendas projetado nos primeiros cinco anos no mercado. Ao fornecer preços de produto diferentes ao modelo, o gestor pode comparar os resultados previstos e selecionar o preço de venda mais lucrativo.

O objetivo principal de sistemas de business intelligence orientados por dados é analisar grandes conjuntos de dados, acumulados por longos períodos de tempo em data warehouses, em um processo conhecido como mineração de dados. A mineração de dados visa descobrir padrões significativos, como seqüências (comprar uma casa nova, seguida de uma nova mesa de jantar), clusters e correlações (famílias grandes e vendas de van), com as quais as decisões podem ser tomadas. A análise preditiva tenta prever os resultados futuros com base nas tendências descobertas. Os sistemas de suporte à decisão orientados por dados incluem uma variedade de modelos estatísticos e podem contar com várias técnicas de inteligência artificial, como sistemas especialistas, redes neurais e aprendizagem de máquina. Além da mineração de dados numéricos, a mineração de texto é realizada em grandes agregados de dados não estruturados, como o conteúdo de mídias sociais que incluem redes sociais,wikis, blogs e microblogs. Conforme usado no comércio electrónico, por exemplo, a mineração de texto ajuda a encontrar tendências de compra, segmentar anúncios e detectar fraudes.

Uma variedade importante de sistemas de apoio à decisão permite que um grupo de tomadores de decisão trabalhe em conjunto sem necessariamente estar no mesmo lugar ao mesmo tempo. Esses sistemas de decisão em grupo incluem ferramentas de software para brainstorming e obtenção de consenso.

Outra categoria, sistemas de informação geográfica, pode ajudar a analisar e exibir dados usando mapas digitalizados. O mapeamento digital de várias regiões é uma atividade contínua de inúmeras empresas. Essa visualização de dados suporta a tomada de decisão rápida. Ao olhar para uma distribuição geográfica de empréstimos hipotecários, por exemplo, pode-se facilmente estabelecer um padrão de discriminação.

Sistemas de informação executiva

Os Sistemas de informação executivas disponibilizam prontamente uma variedade de informações críticas de uma forma altamente resumida e conveniente, normalmente por meio de um painel digital gráfico. Os gestores seniores caracteristicamente empregam muitas fontes informais de informação, no entanto, para que os sistemas de informação informatizados formais sejam apenas de assistência parcial. No entanto, essa assistência é importante para o diretor executivo, vice-presidentes sênior e executivo e o conselho de administração para monitorar o desempenho da empresa, avaliar o ambiente de negócios e desenvolver orientações estratégicas para o futuro. Em particular, esses executivos precisam comparar o desempenho de sua organização com o de seus concorrentes e investigar tendências econômicas gerais em regiões ou países. Frequentemente individualizados e confiando em vários formatos de mídia, os Sistemas de informação executivas oferecem aos utilizadores uma oportunidade de “detalhar” informações resumidas a detalhes cada vez mais focados.

Sistema de informação - 6 coisas que já devia saber 10

3 – Adquirir Sistemas e Serviços de Informação

Os sistemas de informação são um importante ativo corporativo, com respeito tanto aos benefícios que proporcionam como aos seus altos custos. Portanto, as organizações precisam planejar a longo prazo ao adquirir Sistemas de informação e serviços que apoiam iniciativas de negócios. Ao mesmo tempo, as empresas precisam ser receptivas às oportunidades emergentes. Com base nos planos corporativos de longo prazo e nos requisitos de vários indivíduos, desde os profissionais de dados até a alta gestão, as aplicações essenciais são identificados e as prioridades do projeto são definidas. Por exemplo, certos projetos podem ter que ser executados imediatamente para satisfazer um novo regulamento de relatórios do governo ou para interagir com o sistema de informações de um novo cliente. Outros projetos podem receber maior prioridade por causa de seu papel estratégico ou maiores benefícios esperados.

Uma vez estabelecida a necessidade de um sistema de informação específico, o sistema deve ser adquirido. Isso normalmente é feito no contexto da arquitetura de sistemas de informação já existente da empresa. A aquisição de sistemas de informação pode envolver fontes externas ou depender de desenvolvimento ou modificação interna. Com a indústria de TI altamente desenvolvida de hoje, as empresas tendem a adquirir sistemas de informação e serviços de fornecedores especializados. As principais tarefas dos especialistas em sistemas de informação envolvem modificar as aplicações para as necessidades de seus empregadores e integrar as aplicações para criar uma estrutura coerente e arquitetura de sistemas para a empresa. Normalmente, apenas aplicações menores são desenvolvidos internamente. Certas aplicações de natureza mais pessoal podem ser desenvolvidas pelos próprios utilizadores finais.

3.1 – Aquisição de fontes externas

Existem várias maneiras principais de adquirir um sistema de informações de fora da organização. Muitas empresas recorrem à terceirização dos seus sistemas de informação. A terceirização envolve a transferência dos principais componentes dos sistemas e operações da empresa – como data centers, telecomunicações e desenvolvimento e manutenção de software – para uma empresa especializada que fornece seus serviços sob contratos de longo prazo, especificando os níveis de serviço (ou seja, o escopo e a qualidade do serviço a ser prestado). Em alguns casos, a terceirização envolve a transferência dos serviços para o exterior, ou seja, o offshoring em busca das vantagens de custo ou experiência. A responsabilidade pela aquisição de novas aplicações é da responsabilidade da empresa externa. Em outros casos, a empresa pode terceirizar apenas o desenvolvimento ou a manutenção de seus sistemas de informação, com a empresa externa sendo uma desenvolvedora de sistemas.

A computação na nuvem está sendo cada vez mais adotada como fonte de serviços de informação. Ele oferece acesso sob demanda via Internet a serviços fornecidos por um provedor que administra data centers com o software e outros recursos necessários. Os serviços podem ser fornecidos em um dos três níveis: como a infra-estrutura para executar aplicações existentes, como a plataforma para o desenvolvimento de novas aplicações ou como software como serviço (SaaS) a ser usado pela empresa na rede. Em particular, o SaaS se tornou uma maneira econômica de usar sistemas corporativos. Normalmente, a computação em nuvem é fornecida por fornecedores externos, embora algumas empresas implementem suas próprias nuvens privadas para compartilhar recursos que os funcionários podem acessar pela rede a partir de uma variedade de dispositivos, normalmente incluindo smartphones. Escalabilidade e evitação de gastos de capital são vantagens notáveis ​​de nuvens públicas; a perda parcial de controlo é uma desvantagem.

As empresas podem optar por adquirir uma aplicação leasing de um pacote proprietário de um fornecedor sob uma licença e ter o software personalizado internamente ou externamente pelo fornecedor ou outro contratante externo. Os sistemas corporativos normalmente são alugados dessa maneira. Uma alternativa é implementar uma aplicação de código aberto, cujo código de programa é gratuito e aberto para que todos possam modificar sob um tipo diferente de licença que reforça a abertura do aplicativo em perpetuidade. Normalmente, os custos da utilização de software de código aberto incluem o suporte técnico de fornecedores especializados.

3.2 – Desenvolvimento de sistemas internos de informação

Quando um sistema de informação é desenvolvido internamente por uma organização, um dos dois métodos gerais é usado: desenvolvimento do ciclo de vida ou desenvolvimento rápido de aplicações (RAD).

Os mesmos métodos são usados ​​pelos fornecedores de software, que precisam fornecer sistemas mais gerais e personalizáveis. Grandes sistemas organizacionais, como os sistemas corporativos, normalmente são desenvolvidos e mantidos por meio de um processo sistemático, conhecido como ciclo de vida do sistema, que consiste em seis etapas: estudo de viabilidade, análise do sistema, projeto do sistema, programação e teste, instalação e operação e manutenção. Os cinco primeiros estágios são o desenvolvimento do sistema propriamente dito, e o último estágio é a exploração a longo prazo. Após um período de uso (com manutenção, conforme necessário), o sistema de informação pode ser eliminado ou atualizado. No caso de uma atualização importante, o sistema entra em outro ciclo de vida de desenvolvimento.

Ciclo de vida dos sistemas de informação A fase de desenvolvimento do ciclo de vida de um sistema de informação consiste em um estudo de viabilidade, análise do sistema, projeto do sistema, programação e testes e instalação. Após um período de operação e manutenção, normalmente de 5 a 10 anos, é feita uma avaliação de finalizar ou atualizar o sistema.

Ciclo de vida dos sistemas de informação A fase de desenvolvimento do ciclo de vida de um sistema de informação consiste em um estudo de viabilidade, análise do sistema, projeto do sistema, programação e testes e instalação. Após um período de operação e manutenção, normalmente de 5 a 10 anos, é feita uma avaliação de finalizar ou atualizar o sistema.Encyclopædia Britannica, Inc.

O principal objetivo de um O estudo de viabilidade é determinar se o sistema é desejável com base em planos de longo prazo, iniciativas estratégicas e uma análise de custo-benefício.A análise do sistema fornece uma resposta detalhada à pergunta: O que o novo sistema fará? O próximo estágio,projeto de sistema, resulta em um extenso projeto de como o novo sistema será organizado. Durante a etapa de programação e teste, os módulos de software individuais do sistema são desenvolvidos, testados e integrados em um sistema operativo coerente. Outros níveis de testes garantem o controlo de qualidade contínuo. A instalação inclui testes finais do sistema no ambiente de trabalho e conversão de operações organizacionais para o novo sistema, integrando-o com outros sistemas já em vigor. Os estágios posteriores de desenvolvimento incluem atividades de implementação como treinamento de utilizadores e modificação dos processos organizacionais nos quais o sistema será usado.

O desenvolvimento do ciclo de vida é freqüentemente criticado por seus longos períodos de desenvolvimento e volumosos requisitos de documentação – e, em alguns casos, por sua falha em atender aos requisitos do utilizador no final da longa estrada de desenvolvimento.

Cada vez mais, o desenvolvimento do ciclo de vida está sendo substituído pelo RAD. Em vários RAD metodologias um protótipo – uma versão preliminar de trabalho de uma aplicação – é construído de forma rápida e barata, embora imperfeitamente. Esse protótipo é entregue aos utilizadores, suas reações são coletadas, modificações sugeridas são incorporadas e versões de protótipos sucessivas acabam evoluindo para o sistema completo. Processos formais para a colaboração entre desenvolvedores e utilizadores do sistema, como desenvolvimento de aplicações conjuntas (JAD), foram introduzidos por algumas empresas. Às vezes o RAD e o desenvolvimento do ciclo de vida são combinados: um protótipo é produzido para determinar os requisitos do utilizador durante o estágio inicial de análise do sistema, após o qual o desenvolvimento do ciclo de vida assume o controlo. Uma versão do RAD conhecida como desenvolvimento ágil tem como objetivo dispensar a noção de um protótipo: uma versão inicial do sistema é criada, liberada para os utilizadores e sujeita a modificações frequentes conforme necessário.

Métodos industriais de produção e reutilização de software foram implementados no desenvolvimento de sistemas. Assim, componentes de software reutilizáveis ​​são desenvolvidos, testados e catalogados para serem implementados como partes de futuros sistemas de informação. Um método particularmente importante de desenvolvimento baseado em componentes é a utilização de serviços da Web, que são objetos de software que fornecem uma função específica (como procurar o pedido de um cliente em um base de dados) e podem ser reunidos em Sistemas de informação interorganizacionais para permitir que parceiros de negócios colaborar.

Depois que um sistema instalado é entregue aos seus utilizadores e pessoal de operações, ele será quase invariavelmente modificado extensivamente durante sua vida útil em um processo conhecido como Manutenção de sistema. Um sistema grande normalmente será usado e mantido por cerca de 5 a 10 anos ou mais. A maior parte da manutenção é ajustar o sistema às necessidades de mudança da organização e a novos equipamentos e outros softwares, mas inevitavelmente alguma manutenção envolve a correção de erros de projeto e a exterminação de “bugs” de software à medida que são descobertos.

Sistema de informação - 6 coisas que já devia saber 13

4 – Gestão de Sistemas de Informação

Para que uma organização use seus serviços de informação para apoiar suas operações ou para inovar lançando uma nova iniciativa, esses serviços precisam fazer parte de uma infraestrutura bem planejada de recursos essenciais. Os sistemas específicos devem ser configurados numa arquitetura coerente para fornecer os serviços de informação necessários. Muitas organizações confiam em empresas externas – isto é, empresas de TI especializadas – para fornecer alguns, ou até mesmo todos, de seus serviços de informação. Se localizada internamente, o gestão dos sistemas de informação pode ser descentralizado até certo ponto para corresponder à estrutura geral da organização.

4.1 – Infraestrutura e arquitetura do sistema de informação

Um sistema de informações bem projetado baseia-se numa base coerente que suporte a mudança responsiva – e, portanto, a agilidade da organização – à medida que surgem novas iniciativas administrativas ou de negócios. Conhecida como a infra-estrutura do sistema de informação, a fundação consiste em redes de telecomunicações, bases de dados e armazéns de dados, software, hardware e procedimentos gerados por vários especialistas. Com globalização de negócios, a infra-estrutura de uma organização muitas vezes atravessa muitas fronteiras nacionais. Estabelecer e manter uma infraestrutura tão complexa requer planejamento abrangente e implementação consistente para lidar com iniciativas corporativas estratégicas, transformações, fusões e aquisições. A infra-estrutura do sistema de informação deve ser estabelecida para criar opções significativas para o futuro desenvolvimento corporativo.

Quando organizados em um todo coerente, os sistemas de informação específicos que dão suporte às operações, ao gestão e ao trabalho de conhecimento constituem a arquitetura do sistema de uma organização. Claramente, os planos estratégicos gerais de longo prazo de uma organização devem ser considerados ao projetar uma infra-estrutura e arquitetura de sistema de informação.

4.2 – Organização de serviços de informação

Os serviços de informações de uma organização são fornecidos por uma empresa externa, por uma unidade interna ou por uma combinação dos dois. A terceirização de serviços de informação ajuda com objetivos como redução de custos, acesso a pessoal superior e foco em competências essenciais.

Uma unidade de serviços de informação é normalmente responsável pelos sistemas de informação de uma organização. Quando os sistemas são amplamente terceirizados, essa unidade é de tamanho limitado e concentra-se no alinhamento dos sistemas à estratégia competitiva corporativa e na supervisão dos serviços da empresa externa. Quando os serviços de informação são fornecidos internamente e centralizados, esta unidade é responsável pelo planejamento, aquisição, operação e manutenção de Sistemas de informação para toda a organização. Em estruturas descentralizadas, no entanto, a unidade central é responsável apenas pelo planejamento e manutenção da infraestrutura, enquanto especialistas em negócios e administrativos supervisionam sistemas e serviços para suas próprias unidades. Uma variedade de formas organizacionais intermediárias são possíveis.

Em muitas organizações, os sistemas de informação são chefiados por um diretor de informações (CIO) ou um diretor de tecnologia (CTO). As atividades de serviços de informação são normalmente supervisionadas por um comitê diretivo composto de executivos representando várias unidades funcionais da organização. Os comités de orientação definem as prioridades para o desenvolvimento de futuros sistemas. Nas organizações em que os sistemas de informação desempenham um papel estratégico, os conselhos de administração precisam estar envolvidos em sua governança. Conforme descrito abaixo, uma responsabilidade vital de uma unidade de serviços de informações é garantir o serviço ininterrupto e a integridade dos sistemas e das informações diante de muitas ameaças à segurança.

Sistema de informação - 6 coisas que já devia saber 15

5 – Segurança e Controlo de Sistemas de Informação

Com a abertura dos sistemas de informação para a Internet global e com a sua infusão completa na operação e gestão de organizações empresariais e governamentais e na infra-estrutura da vida diária em todo o mundo, as questões de segurança da informação foram colocadas na vanguarda das preocupações globais. ser.

5.1 – Segurança dos sistemas de informação

Sistemas de informação A segurança é responsável pela integridade e segurança dos recursos e atividades do sistema. A maioria das organizações nos países desenvolvidos depende da operação segura de seus sistemas de informação. De fato, o próprio tecido das sociedades normalmente depende dessa segurança. Múltiplas redes infra estruturais – incluindo energia, abastecimento de água e assistência médica – dependem disso. Os sistemas de informação estão no centro das unidades de terapia intensiva e dos sistemas de controlo de tráfego aéreo. As instituições financeiras não poderiam sobreviver a uma falha total de seus sistemas de informação por mais de um dia ou dois. Os sistemas de transferência electrónica de fundos (EFTS) lidam com quantias imensas de dinheiro que existem apenas como sinais electrónicos enviados pelas redes ou como pontos nos discos de armazenamento. Sistemas de informação são vulneráveis a uma série de ameaças e exigem controlos rígidos, como contramedidas contínuas e auditorias regulares para garantir que o sistema permaneça seguro. (A relação entre as medidas de segurança é mostrada na figura.)

Medidas de segurança dos sistemas de informação O primeiro passo para criar um sistema de informação seguro é identificar ameaças. Uma vez que problemas potenciais são conhecidos, a segunda etapa, estabelecendo controles, pode ser tomada. Finalmente, a terceira etapa consiste em auditorias para descobrir qualquer violação de segurança.

Medidas de segurança dos sistemas de informação O primeiro passo para criar um sistema de informação seguro é identificar ameaças. Uma vez que problemas potenciais são conhecidos, a segunda etapa, estabelecendo controlos, pode ser tomada. Finalmente, a terceira etapa consiste em auditorias para descobrir qualquer violação de segurança.Encyclopædia Britannica, Inc.

Embora os casos de crime e abuso de computador recebam ampla atenção da mídia, estima-se que o erro humano cause maiores perdas na operação dos sistemas de informação. Desastres como terremotos, enchentes e incêndios são a preocupação especial do planejamento de recuperação de desastres, que faz parte de um plano de continuidade de negócios corporativos. Um esquema de contingência também é necessário para cobrir a falha de servidores, redes de telecomunicações ou software.

5.2 – Crime e abuso de computador

O crime informático – atos ilegais nos quais os computadores são a principal ferramenta – custa à economia mundial muitos bilhões de dólares por ano. O abuso de computadores não chega ao nível do crime, mas envolve a utilização antiético de um computador. Os objetivos do chamado hacking de sistemas de informação incluem vandalismo, roubo de informações ao consumidor, espionagem governamental e comercial, sabotagem e guerra cibernética. Alguns dos meios mais difundidos de crime computacional incluem o phishing e o plantio de malware, como vírus e worms de computador, cavalos de Tróia e bombas lógicas.

O phishing envolve a obtenção de um login de utilizador legítimo e outras informações por meio de subterfúgios por meio de mensagens fraudulentas que alegam ter origem numa entidade legítima, como um banco ou um escritório do governo. Um ataque de phishing bem-sucedido para obter informações de um utilizador pode ser seguido por roubo de identidade, uma representação do utilizador para obter acesso aos recursos do utilizador.

Os vírus de computador são uma forma de ataque particularmente comum. Estas são instruções de programa que são capazes não apenas de executar atos maliciosos, mas também de inserir cópias de si mesmas em outros programas e assim se espalhar para outros sistemas de computador. Semelhante aos vírus, worms são programas completos de computador que se replicam e propagam-se através de redes de telecomunicações. Por causa de sua capacidade de se espalhar rapidamente e amplamente, vírus e worms podem causar danos imensos. O dano pode ser na forma de adulteração na operação do sistema, roubo de grandes volumes de dados (por exemplo, números de cartão de crédito), conhecidos como violação de dados ou negação de serviço sobrecarregando os sistemas com uma enxurrada de solicitações espúrias.

Num ataque por cavalo de Tróia, o malfeitor esconde instruções não autorizadas dentro de um programa autorizado. Uma bomba lógica consiste em instruções ocultas, muitas vezes introduzidas com a técnica do cavalo de Tróia, que permanecem inativas até que um evento específico ocorra, momento em que as instruções são ativadas. Em um caso bem conhecido, em 1985, um programador de uma companhia de seguros em Fort Worth, Texas, colocou uma bomba lógica no sistema de recursos humanos de sua empresa; quando ele foi demitido e seu nome foi excluído da base de dados de funcionários da empresa, todo o base de dados foi apagado.

Uma vez que um sistema conectado à Internet é invadido, ele pode ser usado para assumir muitos outros e organizá-los nos chamados botnets que podem lançar ataques maciços contra outros sistemas para roubar informações ou sabotar suas operações. Existe uma preocupação crescente de que, na “Internet das coisas”, dispositivos controlados por computador, como geladeiras ou aparelhos de TV, possam ser implementados em botnets. A variedade de dispositivos dificulta o controlo contra malware.

5.3 – Controlo de sistemas de informação

Para garantir a operação segura e eficiente dos sistemas de informação, uma organização institui um conjunto de procedimentos e medidas tecnológicas chamados controlos. Os sistemas de informação são salvaguardados através de uma combinação de controlos gerais e de aplicações.

Os controlos gerais aplicam-se às atividades do sistema de informações em toda a organização. Os controlos gerais mais importantes são as medidas que controlam o acesso a sistemas de computadores e as informações ali armazenadas ou transmitidas por redes de telecomunicações. Os controlos gerais incluem medidas administrativas que restringem o acesso dos funcionários somente àqueles processos diretamente relevantes para seus deveres. Como resultado, esses controlos limitam o dano que qualquer funcionário ou imitador de funcionário pode fazer. Sistemas de computador tolerantes a falhas instalados em ambientes críticos, como em sistemas de informação hospitalares ou mercados de valores mobiliários, são projetados para controlar e isolar problemas, de modo que o sistema possa continuar a funcionar. Sistemas de backup, muitas vezes em locais remotos, podem ser ativados em caso de falha do sistema de informações primárias.

Os controlos de aplicações são específicos de um determinado aplicativo e incluem medidas como a validação de dados de entrada, o registo dos acessos ao sistema, o arquivamento regular de cópias de várias bases de dados e a garantia de que as informações sejam divulgadas apenas para utilizadores autorizados.

5.4 – Proteger as informações

O controlo do acesso a sistemas de informação tornou-se profundamente mais difícil com a disseminação de redes de longa distância (WANs) e, em particular, a Internet. utilizadores, bem como intrusos, podem acessar sistemas de qualquer computador não assistido dentro de uma organização ou de praticamente qualquer lugar na Internet. Como medida de segurança, cada utilizador legítimo tem um nome exclusivo e uma senha alterada regularmente. Outra medida de segurança é exigir alguma forma de autenticação física, como um objeto (um token físico ou um cartão inteligente) ou uma característica pessoal (impressão digital, padrão da retina, geometria da mão ou assinatura). Muitos sistemas combinam esses tipos de medidas – como caixas electrónicos, que dependem de uma combinação de um número de identificação pessoal (PIN) e um cartão de identificação ou firewalls. Essas combinações de hardware e software filtram continuamente o tráfego de dados de entrada e, muitas vezes, de saída.

Uma maneira diferente de proibir o acesso à informação é através da encriptação de dados, que ganhou importância particular no comércio electrónico.A encriptação de chave pública é usada amplamente em tal comércio. Para garantir a confidencialidade, apenas o destinatário pretendido tem a chave privada necessária para descriptografar as mensagens que foram criptografadas com a chave pública do destinatário. Além disso, a autenticação de ambas as partes numa transação electrónica é possível através de certificados digitais emitidos para ambas as partes por um terceiro confiável e a utilização de assinaturas digitais – um código adicional anexado à mensagem para verificar sua origem. Também pode ser anexado a uma mensagem um código para detectar a corrupção. Meios semelhantes estão disponíveis para garantir que as partes de uma transação electrónica não possam mais tarde repudiar sua participação. Algumas mensagens exigem atributos adicionais. Por exemplo, um pagamento em dinheiro electrónico é um tipo de mensagem, com encriptação usada para garantir o anonimato do comprador, que age como dinheiro físico.

Para monitorar continuamente os sistemas de informação, sistemas de detecção de intrusão são usados. Eles detectam eventos anômalos e registram as informações necessárias para produzir relatórios e estabelecer a fonte e a natureza da possível intrusão. Sistemas mais ativos também tentam impedir a intrusão após a detecção em tempo real.

5.5 – Auditoria de sistemas de informação

A eficácia dos controlos de um sistema de informação é avaliada por meio de uma auditoria de sistemas de informação. Uma auditoria visa estabelecer se os sistemas de informação estão protegendo os ativos corporativos, mantendo a integridade dos dados armazenados e comunicados, apoiando os objetivos corporativos de forma eficaz e operando de forma eficiente. Faz parte de uma auditoria financeira mais geral que verifica os registos contabilísticos e demonstrações financeiras de uma organização. Os sistemas de informação são projetados para que todas as transações financeiras possam ser rastreadas. Em outras palavras, deve existir uma trilha de auditoria que possa estabelecer de onde cada transação se originou e como ela foi processada. Além das auditorias financeiras, as auditorias operacionais são usadas para avaliar a eficácia e a eficiência de operações de sistemas de informação e auditorias tecnológicas verificam que as tecnologias de informação são apropriadamente escolhidas, configuradas e implementadas.

Sistema de informação - 6 coisas que já devia saber 18

6 – Impacto dos Sistemas de Informação

Os sistemas informatizados de informação, particularmente desde a chegada da Web e da computação móvel, tiveram um efeito profundo nas organizações, economias e sociedades, bem como em indivíduos cujas vidas e atividades são conduzidas nessas comunidades sociais.

6.1 – Impactos organizacionais dos sistemas de informação

Recursos organizacionais essenciais são ativados ou aprimorados pelos sistemas de informação. Esses sistemas fornecem suporte para

  • operações de negócios;
  • tomada de decisão individual e em grupo;
  • inovação através do desenvolvimento de novos produtos e processos;
  • relacionamentos com clientes, fornecedores e parceiros;
  • busca de vantagem competitiva;
  • modelo de negócios (ex: Google).

Os sistemas de informação trazem novas opções para o modo como as empresas interagem e competem, a forma como as organizações são estruturadas e os locais de trabalho são projetados. Em geral, a utilização de sistemas de informação baseados na Web pode reduzir significativamente os custos de comunicação entre trabalhadores e empresas e melhorar a coordenação de cadeias de suprimento ou redes de maneira rentável. Isso levou muitas organizações a concentrarem-se em suas principais competências e a terceirizar outras partes de sua cadeia de valor para empresas especializadas. A capacidade de comunicar informações com eficiência dentro de uma empresa levou à implantação de estruturas organizacionais mais planas com menos camadas hierárquicas.

No entanto, os sistemas de informação não conduzem uniformemente a maiores lucros. O sucesso depende tanto da habilidade com que os sistemas de informação são implantados quanto de seu uso, sendo combinados com outros recursos da empresa, como relacionamentos com parceiros de negócios ou conhecimento superior no segmento industrial.

A utilização de sistemas de informação permitiu novas estruturas organizacionais. Em particular, surgiram as chamadas organizações virtuais que não dependem de escritórios físicos e organogramas padrão. Duas formas notáveis ​​de organizações virtuais são a organização da rede e a organização do cluster.

Numa organização de rede, parceiros corporativos de longo prazo fornecem bens e serviços através de uma empresa central de hubs. Juntos, uma rede de empresas relativamente pequenas pode apresentar a aparência de uma grande corporação. De fato, no centro de tal organização pode ser nada mais do que um único empreendedor apoiado por apenas alguns funcionários. Assim, a organização em rede forma um ecossistema flexível de empresas, cuja formação e trabalho são organizados em torno de sistemas de informação baseados na Web.

Numa organização de cluster, as principais unidades de trabalho são equipes permanentes e temporárias de indivíduos com habilidades complementares. Os membros da equipe, que normalmente são amplamente dispersos em todo o mundo, são muito auxiliados em seu trabalho pela utilização de recursos da Web, intranets corporativas e sistemas de colaboração. Equipes virtuais globais são capazes de trabalhar ininterruptamente, transferindo electrónicamente o trabalho do conhecimento para “acompanhar o sol”. Os sistemas de informação fornecidos em plataformas móveis permitiram que os funcionários trabalhassem não apenas fora dos escritórios corporativos, mas virtualmente em qualquer lugar. “O trabalho é o que você faz, não o lugar para onde você vai” tornou-se o slogan do novo local de trabalho emergente. Os locais de trabalho virtuais incluem escritórios domésticos, centros de trabalho regionais, instalações dos clientes e escritórios móveis de pessoas como avaliadores de seguros. Os funcionários que trabalham em locais de trabalho virtuais fora das instalações da empresa são conhecidos como teletrabalhadores.

O papel dos consumidores mudou, fortalecido pela web. Em vez de serem apenas receptores passivos de produtos, eles podem participar ativamente com os produtores na criação conjunta de valor. Ao coordenar seu trabalho coletivo usando sistemas de informação, os indivíduos criaram produtos como software de código aberto e enciclopédias on-line. O valor dos mundos virtuais e dos jogos on-line massivamente multiplayer foi criado em grande parte pelos participantes. O boca-a-boca electrónico na forma de resenhas e opiniões expressas na Web pode fazer ou quebrar produtos. Em co-criação patrocinada, as empresas atraem seus clientes para gerar e avaliar idéias, desenvolver novos produtos e promover os bens e serviços existentes. Cliente virtual comunidades são criadas on-line para esses fins.

6.2 – Sistemas de informação na economia e sociedade

Juntamente com a infraestrutura de transporte global, os sistemas de informação baseados em rede têm sido um fator no crescimento de negócios e corporações internacionais. Uma relação entre a implantação de sistemas de informação e maior produtividade foi demonstrada em vários setores quando esses sistemas complementam outros recursos corporativos. O comércio electrónico moveu muitos relacionamentos e transações entre empresas e indivíduos para a Internet e a Web, com a consequente expansão de possibilidades e eficiências. O desenvolvimento do ecossistema baseado na Internet – acompanhado pelo baixo custo do hardware e as telecomunicações, a disponibilidade de software de código aberto e o acesso global de massa a telefones celulares levaram a um florescimento da atividade empreendedora e à emergência de destaque e valor de mercado significativo de inúmeras empresas com base em novos modelos de negócios. Entre os exemplos estão as empresas de leilões electrónicos, empresas de mecanismos de busca, shoppings electrónicos, plataformas de redes sociais e empresas de jogos online. Por causa das vastas oportunidades para mover o trabalho com dados, informações e conhecimento em formato electrónico para o mais rentável local, tem vindo a acontecer uma redistribuição global do trabalho.

À medida que a utilização de sistemas de informação se foi difundido nas economias avançadas e nas sociedades em geral, várias questões sociais e éticas foram colocadas em primeiro plano. Os mais importantes são questões de privacidade individual, direitos de propriedade, acesso universal e liberdade de expressão, precisão de informações e qualidade de vida.

Sistemas de informação e a privacidade

A a privacidade individual depende do direito de controlar as informações pessoais. Embora a invasão de privacidade seja normalmente percebida como uma perda indesejável de autonomia, as organizações governamentais e empresariais precisam recolher dados para facilitar a administração e explorar as oportunidades de vendas e marketing. O comércio electrónico representa um desafio particular à privacidade, já que informações pessoais são coletadas rotineiramente e potencialmente disseminadas.de uma maneira largamente desregulada. A propriedade e o controlo sobre os perfis pessoais, contatos e comunicações nas redes sociais são um exemplo de uma questão de privacidade que aguarda resolução por meio de uma combinação de forças de mercado, autorregulação da indústria e, possivelmente, regulamentação governamental. Evitar invasões de privacidade é complicado pela falta de um padrão legal internacional.

A propriedade intelectual, como software, livros, música e filmes, é protegida, embora imperfeitamente, por patentes, segredos comerciais e direitos autorais. No entanto, esses bens intangíveis podem ser facilmente copiados e transmitidos electrónicamente pela Web para reprodução e uso ilegais. Combinações de estatutos legais e salvaguardas tecnológicas, incluindo encriptação antipirataria e marcas d’água electrónicas, estão em vigor, mas grande parte da prevenção do abuso depende da ética do utilizador. Os próprios meios de proteção, como as patentes, desempenham um grande papel na sociedade da informação. No entanto, a proteção de métodos de negócios (por exemplo, Amazon patente de pedidos com apenas um clique) está sendo questionada, e a aplicação global da proteção à propriedade intelectual encontra vários desafios.

O acesso a sistemas de informação pela Web é necessário para a plena participação na sociedade moderna. Em particular, é desejável evitar o surgimento de divisões digitais entre nações ou regiões e entre grupos sociais e étnicos. O acesso aberto à Web como meio de comunicação humana e como repositório de conhecimento partilhado é valorizado. De fato, muitas pessoas consideram liberdade de expressão um direito humano universal e a Internet e a Web os meios mais amplamente acessíveis para exercer esse direito. No entanto, preocupações legítimas surgem sobre proteger crianças sem recorrer à censura. Soluções tecnológicas, como softwares que filtram pornografia e comunicações inadequadas, são parcialmente bem-sucedidas.

A preocupação de todos é a precisão e a segurança das informações contidas em bases de dados e armazéns de dados – seja em dados de saúde e seguros, registos de agências de crédito ou ficheiros do governo, pois informações incorretas ou privilegiadas podem afetar negativamente a segurança pessoal, a subsistência e todos os dias vida. Os indivíduos devem cooperar na revisão e correção de seus ficheiros, e as organizações devem garantir a segurança apropriada, o acesso e a utilização de tais ficheiros.

Os sistemas de informação afetaram a qualidade de vida pessoal e profissional. No local de trabalho, os sistemas de informação podem ser implantados para eliminar tarefas entediantes e dar aos trabalhadores maior autonomia, ou podem ser usados ​​para eliminar trabalhos sem pensar e sujeitar a força de trabalho remanescente à vigilância electrónica generalizada. Os consumidores podem usar a Web para compras, redes e entretenimento – mas sob o risco de lutar contra spam ( e-mails não solicitados ), interceptar números de cartões de crédito e atacar por vírus de computador.

Os sistemas de informação podem expandir a participação de cidadãos comuns no governo por meio de eleições electrónicas, referendos e pesquisas e também fornecer acesso electrónico a serviços e informações do governo – permitindo, por exemplo, arquivamento electrónico de impostos, depósito direto de cheques do governo e visualização de dados atuais. e documentos governamentais históricos. Mais transparente e benéfico as operações do governo são possíveis abrindo os dados coletados por e sobre os governos para o escrutínio público em um formulário pesquisável e fácil de usar. Com a Web, a esfera pública de deliberação e auto-organização pode se expandir e dar voz aos indivíduos. No entanto, os sistemas de informação também evocaram imagens orwellianas de vigilância governamental e intrusão comercial em vidas privadas. Resta à sociedade aproveitar o poder dos sistemas de informação fortalecendo os meios legais, sociais e tecnológicos.

Com o poder exponencialmente crescente dos computadores, impulsionado pela lei de Moore, e o desenvolvimento de software cada vez mais sofisticado – em particular, sistemas que empregam as técnicas da inteligência artificial (IA) – os mercados de trabalho e as profissões foram afetados. Robótica flexível e barata reduz algumas oportunidades nos mercados de trabalho. A computação cognitiva, com sistemas baseados em técnicas de IA – como aprendizado de computadores, reconhecimento de padrões em múltiplas mídias e grandes quantidades de informações armazenadas – surgiu como um concorrente de profissionais humanos.

O surgimento da “economia on demand”, possibilitada pelas plataformas de sistemas de informação, levantou preocupações sobre a qualidade dos empregos. Fornecendo acesso instantâneo a serviços, como transporte, as plataformas (por exemplo, Uber e Lyft) conectam os fornecedores de serviços, normalmente indivíduos, àqueles que procuram o serviço. Apesar de alegarem que erodem os locais de trabalho estáveis, tais modelos de negócios oferecem flexibilidade, maior medida de independência para os fornecedores e conveniência para os demandantes.

6.3 – Sistemas de informação como caso de estudo

Sistemas de informação é uma disciplina de estudo que normalmente está situada em escolas de negócios. O objetivo essencial da disciplina é desenvolver e estudar as teorias, métodos e sistemas de uso da tecnologia da informação para operar e gerir organizações e apoiar suas ofertas de mercado. A disciplina emprega uma abordagem sociotécnica, colocando o estudo da tecnologia da informação no contexto da administração, organizações e sociedade.O estudo acadêmico de sistemas de informação originou-se na década de 1960. A sociedade acadêmica promovendo o desenvolvimento da disciplina é a Associação de Sistemas de Informação (AIS).

Fonte: https://www.britannica.com

 

Sistema de informação - 6 coisas que já devia saber
Sistema de informação - 6 coisas que já devia saber 20

Provavelmente já ouviu falar de termos como sistema de recuperação de informação, armazenamento de informação e sistema de recuperação, sistema de armazena

Editor's Rating:
5
António Almeida

António Almeida

Licenciado em engenharia Informático e Telecomunicações, mestre em Sistemas e Tecnologias de Informação e doutorando em Informática é um apaixonado por todo o tipo de tecnologia. Apostava na troca de informações e acaba de criar uma rede de informáticos especialistas interessados em tecnologia.

PRÓXIMOS ARTIGOS:

  • Últimas Notícias sobre Tecnologia
  • Promoções de produtos e serviços
  • Ofertas e Sorteios de equipamentos

RECEBER GRÁTIS:

Como gostaria de receber mais informação do Informatico.pt?

Pode cancelar quando quiser clicando no link que aparece no rodapé dos e-mails.

DEIXAR COMENTÁRIO:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

AVISO:

Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de carácter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.

Formulário Agendamento

assistencia ao domicilio

Formulário Contato

formulario de contato