O Tesla falhou a órbita de Marte e está a caminho da Cintura de Asteróides

Elon Musk / Instagram

Space X

Starman ao volante de um Tesla Red Roadster a caminho de Marte

Não, o Starman não está a caminho de Marte. O Tesla, colocado a bordo do Falcon Heavy, está fora do trajeto previsto e pode estar afinal a caminho da Cintura de Asteróides.

A bordo do Falcon Heavy, o foguetão mais poderoso do mundo lançado esta terça-feira, seguia um Tesla Roadster com um manequim como piloto, que recebeu o nome de Starman.

Inicialmente, o objetivo de Elon Musk era colocar o automóvel numa órbita heliocêntrica , à volta do Sol, onde iria permanecer durante mil milhões de anos, de forma a aproximar-se regularmente do planeta Marte.

Mas o Tesla está fora do trajeto previsto e quem avança com a notícia é o próprio Elon Musk, através de um post na sua conta de Instagram. O presidente da Tesla e da empresa Space X adiantou que o veículo pode estar a caminho da Cintura de Asteróides , região do Sistema Solar compreendida aproximadamente entre as órbitas de Marte e Júpiter.

instagram-media” data-instgrm-captioned=”” data-instgrm-permalink=”https://www.instagram.com/p/Be6VZEzgAEk/” data-instgrm-version=”8″ readability=”-7.7736486486486″>

A comunidade científica continua a acompanhar a aventura do Tesla Roadster com interesse. Segundo o site The Verge, alguns astrónomos, usando uma ferramenta do Jet Propulsion Laboratory da NASA, identificaram algumas diferenças entre os dados que Musk partilhou e os últimos números enviados pela SpaceX.

Os cientistas garantem que o Tesla não irá alcançar a cintura de asteróides , como afirmou inicialmente Elon Musk. Desde o início que o empresário admitiu que a possibilidade de o veículo chegar a Marte era pequena. O Falcon Heavy tinha criado grandes esperanças, que agora parecem cada vez mais reduzidas.

Elon Musk já tinha admitido que a terceira ignição tinha sido um sucesso e que o Roadster iria ultrapassar Marte, dirigindo-se à cintura de asteroides – entre Marte e Júpiter – mas nunca revelou que isso iria complicar os seus planos iniciais.

Jonathan McDowell , astrofísico de Harvard, calcula agora que na próxima década o mais perto que o Roadster vai conseguir estar de Marte é a cerca de 6,9 milhões de quilómetros, em outubro de 2020. Em março de 2021, o Tesla voltará a passar relativamente perto da Terra, a 45 milhões de quilómetros, estimou.