Filme do youtube ridiculariza Maomé e gera polémica

Os protestos contra o filme americano que satiriza Maomé estão varrendo o Oriente Médio e o Norte da África nesta quinta-feira após a morte do embaixador dos EUA na Líbia, na noite de terça.

As revoltas acontecem simultaneamente diante das embaixadas americanas no Egito, Iêmen, Irã, Marrocos, Sudão, Tunísia, Iraque e houve uma pequena manifestação na Faixa de Gaza.

O conflito mais grave ocorreu no Iêmen, onde quatro pessoas morrerram.

Onze manifestantes e 24 membros das forças de segurança ficaram feridos.

Em Sanaa, capital iemenita, os muçulmanos radicais invadiram a embaixada americana e queimaram a bandeira dos Estados Unidos.

A polícia conseguiu afastá-los do local com gás lacrimogêneo, jatos d’água e até fogo, mas 3.000 manifestantes permaneceram nos arredores da embaixada.

Janelas foram destruídas, veículos policiais incendiados.

Também hoje, em pronunciamento oficial, a secretária de Estado americana, Hillary Clinton, condenou o conteúdo discriminatório do filme Innocence of Muslims, qualificando-o de “repugnante”.

Ela lembrou, no entanto, que o direito à liberdade de expressão está incrustado na Constituição americana.

“Não impedimos cidadãos de expressarem seu ponto de vista, não importa quão detestável seja”, disse ela.

No Cairo, capital do Egito, 224 pessoas ficaram feridas no terceiro dia consecutivo de protestos, de acordo com o Ministério da Saúde.

Anteriormente, ele havia falado em 70 feridos com a polícia.

Os manifestantes exigiam a expulsão do embaixador americano.

Embora atirassem pedras nos policiais, acabaram dispersados com o uso de gás lacrimogêneo.

Na quarta-feira, os islamitas escalaram os muros da embaixada e retiraram a bandeira dos EUA.

Na madrugada desta quinta, 16 pessoas ficaram feridas, 12 foram presas e dois carros policiais foram queimados.

A ira dos islamitas cresceu a tal ponto que o presidente do Egito, Mohamed Mursi – que pertence à Irmandade Muçulmana, organização que pediu os protestos – a pedir calma à população.

“Eu condeno e me oponho a qualquer um que insulte nosso profeta. Mas é nosso dever proteger nossos convidados e visitantes estrangeiros”, disse Mursi em um pronunciamento veiculado pela TV estatal. “Eu peço a todos que não violem as leis egípcias e não ataquem as embaixadas”.

Uma pequena multidão queimou a bandeira americana na Faixa de Gaza, onde o Hamas, que controla a região palestina, condenou o filme.

Os participantes da manifestação cantaram palavras de ordem contra o filme, além de “morte a Israel e aos EUA”, e slogans de apoio ao profeta Maomé e ao islã.

O Hamas também chamou, através de alto-falantes, os moradores da região a participarem de concentrações maciças depois das orações do meio-dia de amanhã, sexta-feira, dia sagrado para os muçulmanos.

A sexta-feira deve ser agitada em todos os países islâmicos que condenam o filme, já que os muçulmanos desses locais já estão acostumados a protestarem após as orações nos últimos meses de revoltas contra ditaduras.

Cerca de 500 iranianos protestaram contra Estados Unidos e Israel diante da embaixada suíça em Teerã.

No Iraque, houve demonstrações em Bagdá e Basra, e o líder de uma milícia islamita advertiu que o filme controverso “vai colocar os interesses dos EUA em perigo”.

Outros países – Há informações de protestos também na Tunísia, Marrocos e Sudão, ainda sem maiores detalhes.

O governo do Paquistão anunciou que se prepara para protestos diante da embaixada americana também.

Além disso, o presidente afegão, Hamid Karzai, remarcou uma visita à Noruega com medo de que a revolta possa tomar conta de seu país também.

Os Estados Unidos reforçaram a segurança de suas embaixadas por todo o mundo, até mesmo no Brasil, onde não há registros de ameaças.

Os prédios da Embaixada dos Estados Unidos em Brasília e dos consulados norte-americanos em São Paulo, no Rio de Janeiro e em Recife reforçaram os esquemas de segurança, seguindo as orientações do presidente Barack Obama.

O filme – Innocence of Muslims, segundo as primeiras informações, teria sido produzido no sul da Califórnia – financiado com doações de judeus – por uma americano de origem israelense, identificado pelo Wall Street Journal como Sam Bacile.

A obra provocou manifestações de repúdio em vários países após representar o profeta Maomé como um trapaceiro sem caráter e com fortes instintos sexuais.

Para o islamismo, qualquer representação do profeta Maomé é considerada uma forma de pecado, passível de altas punições dependendo do país onde a religião é praticada.

Também hoje, em pronunciamento oficial, a secretária de Estado americana, Hillary Clinton, condenou o conteúdo discriminatório do filme Innocence of Muslims, qualificando-o de “repugnante”.

Ela lembrou, no entanto, que o direito à liberdade de expressão está incrustado na Constituição americana.

“Não impedimos cidadãos de expressarem seu ponto de vista, não importa quão detestável seja”, disse ela.

A atriz georgiana Anna Gurji, que participou do filme Innocence of Muslims (A Inocência dos Muçulmanos, em tradução livre do inglês) disse, em carta publicada no site do escritor e cartunista americano Neil Gaiman, que foi enganada ao ser selecionada para atuar em Desert Warrior (Guerreiro do Deserto, em livre tradução do inglês).

Editado e dublado, o longa desencadeou revoltas em todo o mundo árabe por seu conteúdo que ridiculariza o profeta Maomé, retratado como um mulherengo aproveitador..

Segundo o depoimento da atriz, “o filme era sobre a queda de um cometa em um deserto” e a luta de tribos pelo artefato que eles acreditavam ter poderes mágicos. “Um ano mais tarde, o filme foi dublado (sem a permissão dos atores), as falas foram mudadas drasticamente e o filme foi transformado na obra anti-islâmica. Até os nomes dos personagens foram mudados. E o personagem com quem eu contracenava, GEORGE, virou MAOMÉ”, disse.

“Não houve nenhuma menção a alguém chamado Maomé e nenhuma menção sobre religião durante todo o tempo em que eu estive no set”, disse Anna, acrescentando estar segura que ninguém do elenco ou da equipe sabia dos planos para Desert Warrior.

Sam Bacile – Anna disse, ainda, ter tido contato com Sam Bacile, cuja identidade está sob investigação e que é conhecido também como Nakoula Basseley Nakoula, o homem por trás da produção. “Ele era muito amigável, respeitoso, de fala delicada, sempre se certificando de que tudo estava correndo tudo bem e que todos estavam satisfeitos”, explicou a atriz.

Bacile teria dito à atriz que disponibilizaria ingressos para assistir à première do filme. “Eu nunca fui informada sobre a première (se é que ela aconteceu) e nem vi o produto final (se é que houve algum, além do curta-metragem que foi colocado na internet)”, disse.

Nakoula deixou sua residência na Califórnia na companhia de sua família recentemente, sem revelar seu destino.

No último sábado, foi interrogado sobre a possibilidade de ter violado a liberdade condicional – em 2010, ele foi condenado por fraude bancária –, mas acabou solto logo depois.

[youtube id=”-iFHMZGLp48″ width=”600″ height=”350″]

 

O que pensa do filme?

António Almeida

António Almeida

Licenciado em engenharia Informático e Telecomunicações, mestre em Sistemas e Tecnologias de Informação e doutorando em Informática é um apaixonado por todo o tipo de tecnologia. Apostava na troca de informações e acaba de criar uma rede de informáticos especialistas interessados em tecnologia.

PRÓXIMOS ARTIGOS:

Inscreva-se e Receba Grátis:

  • Últimas Notícias sobre Tecnologia
  • Promoções de produtos e serviços
  • Ofertas e Sorteios de equipamentos
Avaliar Artigo:
[0 Estrelas]

DEIXAR COMENTÁRIO:

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

AVISO:

Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de carácter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.

Categorias:

PROBLEMAS INFORMÁTICOS?
Escolha aqui um serviço!

Este site utiliza cookies para melhorar a sua experiência. Ao continuar a navegar estará a aceitar a sua utilização. Pode consultar mais informação no Centro de Privacidade.