Facebook admite derrota. Tirar informações do feed “não foi eficaz”

A experiência, levada a cabo em seis países, que propunha a divisão do mural do Facebook em dois – uma dedicada aos posts dos amigos e familiares e outra que mostraria as publicações de páginas e organizações – acabou por fracassar. A rede social admite acabar com a ferramenta Explore.

Esta quinta-feira, o Facebook publicou que irá pôr fim à experiência que separou o conteúdo de páginas de organizações e organizações do feed dos utilizadores. Esta decisão surge depois de meses de queixas devido ao crescimento de informações falsas a circular nesta rede social.

Esta experiência foi levada a cabo em seis países e retirava todas as informações de websites técnicos qualificados do feed principal dos utilizadores. De acordo com o Público, o diretor do feed de informações do Facebook, Adam Mosseri , justifica que a decisão assentou num “feedback constante” dos utilizadores que pediam para ver mais conteúdos da família e amigos.

Assim, em outubro, o Facebook retirou os conteúdos de organizações e organizações e colocou-os num separador à parte, dedicado a conteúdo de notícias e entretenimento: o Explore . Esta ferramenta foi aplicada na Eslováquia, Sri Lanka, Camboja, Bolívia, Guatemala e Sérvia, por forma a criar dois feeds diferentes.

Mas a solução baseada nos interesses dos utilizadores acabou por fracassar. “Nos inquéritos, as pessoas disseram-nos que estavam menos satisfeitas com aquilo que estavam a ver”, explicou Adam Mosseri, num comunicado.

Além disso, houve queixas crescentes de que o modelo explore tornava mais difícil o acesso a dados importantes. “ Concluímos que o Explore não foi eficaz “, conclui no comunicado.

Também esta quinta-feira, conta o Público, Jack Dorsey , director-executivo do Twitter, publicou estar à procura duma ferramenta capaz de garantir conversas “saudáveis” nesta rede social. “Testemunhamos abusos, assédio, manipulação através de bots, etc. Não nos orgulhamos da forma como as pessoas aproveitaram o nosso serviço”, afirmou.

Hoje em dia, o dedo está apontado às redes sociais e à a sua capacidade de manipulação a opinião pública, através de conteúdos falsos disfarçados de informações .
 

Fonte: ZAP

António Almeida

António Almeida

Licenciado em engenharia Informático e Telecomunicações, mestre em Sistemas e Tecnologias de Informação e doutorando em Informática é um apaixonado por todo o tipo de tecnologia. Apostava na troca de informações e acaba de criar uma rede de informáticos especialistas interessados em tecnologia.

PRÓXIMOS ARTIGOS:

Inscreva-se e Receba Grátis:

  • Últimas Notícias sobre Tecnologia
  • Promoções de produtos e serviços
  • Ofertas e Sorteios de equipamentos
Avaliar Artigo:
[0 Estrelas]

DEIXAR COMENTÁRIO:

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

AVISO:

Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de carácter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.

Categorias:

PROBLEMAS INFORMÁTICOS?
Escolha aqui um serviço!

Este site utiliza cookies para melhorar a sua experiência. Ao continuar a navegar estará a aceitar a sua utilização. Pode consultar mais informação no Centro de Privacidade.