Descubra 17 dicas para conseguir ficar anónimo online

Pensa que existe privacidade quando utiliza internet? Então, lamentamos desapontá-lo mas está muito enganado. Mas não desespera, há uma boa notícia. Se estiver disposto a trabalhar arduamente, pode conseguir com os passos a seguir, o anonimato absoluto na internet.

Sim, é verdade, por padrão não há privacidade na internet. Mesmo muitas das ferramentas explicitamente concebidas para proteger a nossa privacidade não funcionam muito bem. As nossas informações pessoais são corroídas diariamente por diversos fatores. Quer através do comércio eletrónico orientado a informações do utilizador onde quase todas as empresas vendem os nossos dados pessoais. Quer por causa de proteções governamentais fracas, produtos com fugas de informação e registos hackeados.

O resultado é que essas falhas tornam fácil comprar ou consultar as nossas informações pessoais. Ou seja, não é preciso ser um funcionário do governo com uma autorização legal para conseguir investigar a vida de alguém. Sim, a nossa privacidade nunca é protegida por padrão. Mas isso não significa que não podemos tomar algumas medidas para a melhorar. Descubra a seguir como recuperar um pouco da sua vida pessoal:


1. Encontrar país que valorize a privacidade

É bom estar num país que tenta proteger os cidadãos da espionagem excessiva do governo, pelo menos sem mandados judiciais e supervisão judicial. É ainda melhor estar num país que pelo menos fala sobre proteger a privacidade individual dos utilizadores e coloca limites à sua utilização comercial.

O Regulamento Geral de Proteção de Dados da União Européia (GDPR) está a pressionar as organizações para o tema da privacidade. Tem impacto sobre qualquer empresa na UE ou faz negócios com qualquer cidadão na UE. Esperamos que mais empresas e países que não fazem parte da UE, se movam em direção a leis semelhantes à GDPR.

No entanto, a maioria de nós não tem a opção de se mudar simplesmente para outro país mais preocupado com a privacidade. Se essa é a sua situação e se se importa com a sua privacidade, então está na altura de mudar. Primeiro, se puder, recomendo que contribua para qualquer organização que lute pela sua privacidade. Tanto o Centro de Informações de Privacidade Eletrónica (EPIC) como a Electronic Frontier Foundation (EFF) são organizações importantes e um histórico de sucesso.


2. Utilizar um sistema operativo anónimo

Depois, vai precisar de um sistema operativo que consiga portejer a sua privacidade. Um sistema que seja executado numa máquina virtual (VM) reajustável e que seja executado num dispositivo amovível seguro. Para isso, o dispositivo deve utilizar um sistema de encriptação por hardware ou um programa de encriptação seguro. Um dos principais produtos que conseguem esse nível de segurança é o Ironkey Workspace. De facto, é um sistema que consegue oferecer um bom nível de segurança. Aliás, bloqueia os utilizadores que inserem muitas senhas erradas e vem com o sistema operativo da Microsoft Windows to Go. Já é disponibilizado por várias marcas e modelos de PENS USB.

No entanto, muitos adeptos da privacidade preferem uma distribuição Linux Live, como o Tails ou o ZeusGuard. Os sistemas operativos Live são concebidos para serem inicializados a partir de dispositivos amovíveis como PENS e CDs. De entre vários que existem atualmente, o Tails é sem dúvida um dos melhores. Foi construído para garantir a privacidade e focado na nossa segurança. A Agência Nacional de Segurança dos EUA fez uma apresentação sobre este assunto que acabou por se tornar pública. Nessa apresentação afirma que os sistemas operativos da Tails são uma ameaça à sua missão de espionagem.

Como tenho a certeza que os meus dados não são guardados?

Assim, quer utilize ou não um SO Live, verifique se o sistema operativo não armazena informações que podem ser utilizadas contra si. Deve utilizar um dispositivo de arranque apenas de leitura. Se não, considere utilizar uma solução de VM que seja reposta após cada utilização. Ou melhor ainda, faça as duas coisas. Utilize um sistema operativo Live armazenado numa VM. Deve configurar a VM para que atribua endereços ARP aleatórios em cada inicialização. Tanto ao Protocolo de Configuração Dinâmica de Hosts (DHCP) como ao ARP (Endereço Resolution Protocol).

Além disso, também pode optar pelo Qubes OS, que é um sistema operativo livre construído a partir do zero com a segurança como seu objetivo principal. É utilizado e promovido por alguns dos maiores defensores da privacidade em todo o mundo. De facto, está muito à frente da maioria dos sistemas operativos, especialmente na compartimentalização. Ou seja, é muito mais difícil a um programa comprometido conseguir comprometer todo o SO. No informatico.pt esperamos que no futuro os outros SOs mais populares se tornem mais parecidos com o Qubes. Seriam bom para todos os utilizadores que ficam sem os seus dados quando são vítimas de ameaças malware.


3. Utilizar Rede Privada Virtual (VPN)

Depois, vai precisar de se ligar à internet utilizando um método o mais anónimo possível. A melhor maneira de o conseguir seria ir utilizando diferentes redes sem fios abertas. Podiam ser redes públicas ou não, e devia tentar não repetir o mesmo ponto de ligação. Se não considerar esse método exequível então deve utilizar uma rede privada virtual (VPN) ou um dispositivo criado para esse fim. Há literalmente dezenas, senão centenas, de VPNs criadas especificamente para tornar mais difícil identificar e controlar a sua ligação à Internet. São sistemas que conseguem a mesma coisa que a primeira abordagem. Fazem-no substituindo o endereço IP de origem e as informações de metadados do seu computador por outra coisa. Além disso, muitas VPNs que protegem a nossa privacidade também impedem o registo da nossa atividade.

Além disso, também pode considerar a utilização de um dispositivo explicitamente concebido para proteger a sua privacidade, como o Anonabox e o ProxyGambit. Este tipo de dispositivos como o Anonabox utilizam serviços VPN Tor, que estão sempre ativos para proteger a sua ligação. Dispositivos como o ProxyGambit conseguem ir ainda mais longe.

Para que servem os dispositivos com VPN Tor?

O ProxyGambit é um dispositivo simples que protege a sua privacidade. Permite aceder à Internet de qualquer lugar do mundo sem revelar a sua verdadeira localização ou IP. Fragmenta o seu tráfego da internet/IP através de um link de rádio de longa distância ou um túnel de ligação GSM. Os seus pedidos são encaminhados por uma rede sem fios que não está perto de si. Embora um link ponto a ponto seja possível, a ponte GSM reversa permite que faça proxy de milhares de quilómetros de distância. Ou seja, não existe nenhum link direto para a sua máquina original.

Por isso, se estiver realmente preocupado com a sua privacidade, considere utilizar um dispositivo VPN para proteger a sua navegação na Internet.


4. Utilizar o navegador Tor

Seja qual for o Live OS e o método de ligação à Internet que utiliza, certifique-se de utilizar um navegador anónimo, como o navegador Tor. Tor é na verdade um sistema de ferramentas, navegadores, APIs e rede, concebido para tornar a sua ligação anónima.

Depois de inserir um endereço de uma página ou rede Tor, o tráfego de e para o seu destino, será encaminhado através de um conjunto aleatório de “nós Tor”. Embora o anonimato do Tor possa ser quebrado, continua a ser uma das melhores maneiras de permanecer no anonimato. Especialmente quando combinado com outras recomendações a seguir. Pode até comprar soluções Tor baseadas em hardware como a Anonabox.

portão

Ao utilizar o navegador Tor, é melhor mantê-lo no tamanho padrão do Windows para máxima segurança.


5. Não utilizar plug-ins ou extensões

É importante lembrar que muitos plugins, principalmente os mais populares, deixam pistas que revelam a sua identidade e localização. Por isso não os deve utilizar se quer preservar o seu anonimato.

Mas, como em tudo, existem exceções. São elas os plug-ins concebidos para aumentar a nossa privacidade. Um exemplo disso é o Privacy Badger oferecido pela Electronic Freedom Foundation (EFF). Está disponível para Chrome e Firefox e impede que as empresas de anúncios controlem a sua navegação na Internet, incluindo as páginas que visita. Controla os domínios que colocam imagens, scripts e publicidade nas páginas da Internet que visita e impede-os de nos controlar.

Como sei se estou ou não num site seguro?

Quando está num site, se clicar no ícone do Badger de Privacidade no seu navegador, aparece uma lista de todos os sistemas de controlo detectados. Cada sistema de controlo é marcado como verde, vermelho ou amarelo. Verde para aqueles que parecem seguros. Vermelhos para aqueles que o add-in está completamente bloqueado. Amarelo para aqueles que estão parcialmente bloqueados. Quanto mais navega, mais eficaz se torna o Privacy Badger, porque ele vai aprendendo sobre os trackers e bloqueia mais ameaças.

Tenha em atenção que o Privacy Badger não é um bloqueador de anúncios tradicional. A sua intenção é sobretudo proteger a sua privacidade em vez de bloquear anúncios. De facto, ele só bloqueia os anúncios que também são utilizados ​​como controladores. Não bloqueia os anúncios que não estão relacionados com controladores.

texugo de privacidade O Privacy Badger impede que sites e terceiros rastreiem seus hábitos de navegação.

Há outro plug-in EFF para o Chrome, Firefox e Opera que também vale a pena utilizar. O HTTPS Everywhere foi criado em colaboração com o Projeto Tor focado na privacidade. O plug-in resolve um problema com sites que utilizam o que deve ser o protocolo de privacidade HTTPS. Alguns sites que utilizam HTTPS não o utilizam corretamente e podem utilizar como padrão o protocolo HTTP não encriptado. O HTTPS Everywhere resolve o problema garantindo que utilizam HTTPS encriptado quando utilizar o plug-in. Note que o plug-in não transformará as ligações HTTP normais em ligações HTTPS encriptadas. Ele só lhe garante que as ligações HTTPS utilizam a encriptação corretamente.


6. Optar por sites com protocolo HTTPS

Quando se liga a alguma pagina na internet, tente utilizar sempre o protocolo HTTPS. De facto, no passado era uma coisa difícil de se conseguir. Mas as coisas mudaram e agora os sites mais populares já utilizam o HTTPS por padrão. Depois deve utilizar apenas autoridades de certificação confiáveis. Deve ter o cuidado de não ser enganado por certificados de identidade “falsos” que muito sites utilizam.

Infelizmente, quando navegamos na Internet estamos constantemente as ser expostos a vários perigos difíceis de controlar. No entanto, podemos estar atentos e utilizar as ferramentas certas que nos permitem ter maior controlo.

Cada vez mais surgem notícias sobre dados que são expostos relacionados com vigilância em massa ou com criminosos que roubam informação. A utilização de HTTPS em todos os sites torna-se vital, independentemente dos sites que visitamos. O mesmo se passa com os metadados recolhidos por algumas páginas que visitamos. Quando estes dados são agrupados podem revelar muito sobre um utilizador e comprometer a sua privacidade.


7. Evitar aplicações gratuitas e populares

Não instale nem utilize software de produtividade mais popular, como processadores de texto ou folhas de cálculo. Se é muito popular, provavelmente o autor não se vai importar muito com a sua privacidade. Muitos desses programas mais populares revelam informações sem a nossa autorização. Além disso, se é um programa gratuito, não é explicitamente concebido para proteger a sua privacidade. Por isso não espere nenhuma garantia de que os seus dados não serão revelados. Como diz o guru de segurança de computadores Bruce Schneier em seu livro, Data and Goliath: As batalhas ocultas para recolher os seus dados e controlar o mundo: “Se alguma coisa é gratuita, então o produto é você mesmo…”.


8. Configurar contas anónimas

Quem nunca precisou de escolher uma senha e responder a algumas respostas a perguntas de controlo para se registar num site ou criar uma conta online. Mas de quer proteger a sua privacidade deve sempre utilizar dados diferentes para cada novo registo que faz online. De facto, não se trata apenas de uma questão de privacidade mas sobretudo de segurança que devia ser praticada por todos.

Aliás, se é mesmo paranóico com a privacidade então crie diferentes endereços de e-mail para cada site onde se regista. Essas contas de email “descartáveis” são dispensáveis ​​e muito mais difíceis de controlar. Utilize serviços de email que se intitulam como sendo serviços anónimos. Se pesquisar na internet vai encontrar com certeza soluções gratuitas e soluções comerciais. Ligue-se sempre a esses serviços utilizando outras aplicações de que protegem a privacidade.

Se costuma conversar pela internet, mesmo que que fale sempre com as mesmas pessoas vá variando nas aplicações que utiliza. O importante é nunca criar padrões regulares de utilização dos serviços e aplicações que utiliza para comunicar online.


9. Nunca utilizar cartões de crédito

Se quer comprar qualquer coisa na internet, não deve nunca utilizar o seu cartão de crédito normal se quer permanecer anónimo online. Para isso pode tentar utilizar serviços de transferência de dinheiro on-line, como o PayPal. Mas infelizmente a maioria desses serviços tem registros que podem ser roubados. Por isso a melhor solução é utilizar uma moeda eletrónica como bitcoin ou uma qualquer concorrente. As moedas virtuais estão a começar a ganhar terreno e já são aceites em cada vez mais lugares. Mas para isso vai precisar de um banco ou um serviço online para converter o seu dinheiro real numa moeda virtual. De facto a utilização desse tipo de pagamento com dinheiro virtual torna mais fácil manter o anonimato.


10. Testar fugas de informação DNS

Uma maneira de testar se mantém o seu anonimato é verificar se existem fugas de informação no servidor de nome de domínio (DNS). Os servidores DNS convertem nomes de domínio, como informatico.pt, para os endereços IP numéricos utilizados ​​pela Internet, como 151.101.0.230. Normalmente, os provedores de serviço da Internet (ISPs) utilizam os seus próprios servidores DNS. São servidores que depois podem ser utilizados ​​para identificar, registrar e controlar as nossas atividades na Internet.

Os serviços de VPN como o Tunnel Bear e o CyberGhost VPN utilizam servidores DNS especiais que protegem o nosso anonimato. Se quiser ter certeza de que está protegido contra fugas de informação de DNS, aceda a www.DNSLeakTest.com. Depois basta simplesmente executar o teste “extendido”. Se nos resultados vir os servidores DNS do seu ISP, então poderá ter uma fuga de informação de DNS. Ou seja, os servidores não devem ter os dados do seu provedor senão o teste de fugas de informação identifica-os.

teste de vazamento de DNS

Se vir os servidores DNS executados pelo seu provedor de VPN, então estará seguro. Se quiser ajuda para controlar e corrigir fugas de informação de DNS, aceda a página DNSLeakTest.com Como posso corrigir fugas de informação de DNS? para mais conselhos.


11. Testar o navegador da internet

Mas será que, todas estas dicas para proteger a sua privacidade, estão realmente a funcionar? Há uma maneira de descobrir se está protegido contra o controlo dos seus dados enquanto navega pela Internet. Para fazer isso, vá à página Panopticlick do EFF e clique no botão grande Testar. O serviço verifica se o seu navegador está a bloquear anúncios de controlo e se o seu navegador tem uma impressão digital exclusiva. Com base nos resultados do que encontra no DNSLeakTest.com e no Panopticlick, é possível reconfigurar a maneira como está a tentar proteger-se. Assim consegue saber como tudo funciona e ir testando até conseguir o grau de anonimato desejado.

panopticlick

O ideal é conseguir obter a mensagem de “Bom trabalho!” e assim conseguir uma forte proteção contra o controlo da internet, diz Panopticlick.


12. Partilhar ficheiros anonimamente

Tal como outros serviços de armazenamento na nuvem, o Dropbox permite partilhar ficheiros com outras pessoas. Mas, nas palavras de Edward Snowden, é “muito hostil à privacidade”. Assim, deve tentar procurar uma alternativa gratuita que permite partilhar anonimamente ficheiros de qualquer tamanho. Recomendamos que utilize a solução de código aberto OnionShare, que foi desenvolvida por Micah Lee. Ele trabalha com o jornalista Glenn Greenwald, que recebeu os ficheiros da NSA de Snowden. É uma solução gratuita que está disponível para Windows, Mac OS X e Ubuntu.


13. Utilizar sistemas de pesquisa seguros

Os sistemas de pesquisa mais populares, como o Google e o Bing, acompanham as suas pesquisas para segmentar e exibirem anúncios aos utilizadores. Por isso, para uma maior segurança, utilize sempre um sistema que não controle as suas buscas. Uma boa solução será utilizar o navegador DuckDuckGo. Além de conseguir oferecer muitos recursos úteis inclui uma sistema de pesquisa específica Safe Search. É um sistema de pesquisa que omite material potencialmente censurável, atalhos do teclado e mais.

Nós no informatico.pt gostamos particularmente do recurso de respostas instantâneas que mostra informações na parte superior da ecrã. É um recurso muito útil, além dos resultados da pesquisa normais para receitas, clima e outros tópicos. Procure por exemplo por “Weather Lisbon”, e aparece o boletim meteorológico na parte superior da página para os próximos dias. Ou então experimente procurar por “cookies recipe”. Vão aparecer miniaturas das bolachas com links para diferentes receitas.

Pode sempre utilizar por exemplo a extensão para Chrome do DuckDuckGo que o ajudará a proteger facilmente a sua privacidade enquanto navega. Quando estiver a pesquisar e a navegar, o DuckDuckGo mostra-lhe a sua classificação de nível de privacidade quando visitar um website (A-F). Essa classificação permite-lhe ver “num piscar de olhos” o seu nível de proteção. Pode pesquisar os detalhes para verificar quem está a tentar segui-lo. Também pode ficar a saber como a plugin reforçou as medidas de privacidade do site que está a visitar. O nível de privacidade é classificado imediatamente com base na prevalência das redes de localizadores ocultos, disponibilidade de encriptação e práticas de privacidade de website.


14. Desligar serviços de localização

Como já deve saber, os sites da Internet podem obter dados de localização do seu computador. Depois esses dados podem ser utilizados para determinar a sua localização, para segmentar anúncios e para o identificar. Mas felizmente há uma maneira de desligar isso. No Windows 10 basta ir a Configurações > Privacidade > Localização. Depois clique no botão “Alterar” e mova o controlo deslizante que aparece de ativado para desativado. Ao fazer isso, por si só não é suficiente, porque os sites ainda podem analisar o seu histórico de localização. Então, deve deslizar para baixo até o Histórico de Localização e clicar no botão “Limpar” que está por baixo de “Limpar histórico neste dispositivo”.

localização

Se precisar de ajuda para desativar o sistema de localização noutros sistemas operativos ou equipamentos contate o www.informatico.pt. Ele ajudá-lo-á a impedir que os sites espiem a sua localização.


15. Bloquear o Javascript

De facto, o sistema JavaScript pode ser uma ameaça à nossa privacidade. Pode permitir que os servidores da Internet descubram informações sobre nós. Como por exemplo qual o plug-in que ativamos, o tamanho do nosso monitor e muito mais. Isso facilita a vida aos mal intencionados que querem acompanhar o nosso comportamento. Assim, para sua total segurança, desative o sistema JavaScript.

Mas isso pode ser problemático, porque o JavaScript fornece recursos necessários a muitos sites. Por isso, se pensar desativar o Javascript, lembre-se que o site que costuma utilizar pode deixar de funcionar. Pode sempre desativar em alguns sites e mantê-lo nos outros. Se utilizar o Firefox, com a extensão NoScript consegue isso facilmente. Se for um utilizador do Chrome, utilize o ScriptSafe. Ambos permitem que decida quais os sites que devem ou não carregar o Javascript.


16. Manter webmail privado

Sabia que quando envia e-mails utilizando serviços de webmail, como o Gmail ou o Outlook.com, eles podem ser consultados? A única maneira de se proteger é encriptando as suas mensagens. Existem várias soluções gratuitas que podem ajudar a conseguir fazer isso.

Um dos melhores serviços online é o ProtonMail. O sistema encripta todos os seus e-mails com uma tecnologia de ponto a ponto. Além disso não guarda registros de IP sobre a sua conta que depois podem ser controlados. Também não exige que forneça informações pessoais para criar a sua conta anónima online. Além desse serviço há também aplicações para Android e iOS, para que possa utilizar o sistema de encriptação nos seus dispositivos móveis.


17. Limpar cookies e históricos

Todos concordamos que é uma boa ideia limpar regularmente os cookies que os sites utilizam para o controlar. Também deve limpar regularmente o seu histórico de navegação, que pode ser utilizado para identificar onde esteve.

De facto, desde que introduz termos de pesquisa no Google, todas as informações pesquisadas são armazenadas numa espécie de backoffice. Isto quer dizer que, na prática, todas essa informações são públicas. De facto, é esse histórico que, aliado às cookies do Google, ajuda a tornar as pesquisas no Google algo muito mais rápido e eficiente.

Por isso, deve limpar o histórico do Google (cookies e cache também) periodicamente ou, pelo menos, com alguma regularidade. Uma vez que todos aqueles logins que tem guardado com a ajuda do browser podem ser facilmente acedidos por terceiros.


Conclusões:

Infelizmente, estes métodos para se conseguir manter anónimo online e proteger a sua privacidade, podem falhar. Mas quanto mais adicionar à sua solução de privacidade, mais difícil será a outra pessoa ou grupo identificá-lo. Claro, tudo que faz para proteger a sua privacidade causa transtornos à sua vida online.

Os defensores mais fanáticos da privacidade não se importam de enfrentar esse problema. Mas a maioria de nós não está disposta a fazer tudo o que for preciso para conseguir até mesmo um mínimo de privacidade. Como simplesmente ajustar as configurações do nosso sistema operativo ou dos sites das redes sociais. A maioria das pessoas simplesmente aceita os padrões, que raramente protegem a sua privacidade.

As pessoas que nos tentam controlar e monitorizar ganham a vida porque a maioria de nós toma o caminho mais fácil. Fazemos pouco ou nada para impedir que a nossa identidade on-line seja descoberta, hackeadas e revelada.


Já utiliza algumas destas técnicas para se manter anónimo online?

Conhece outras técnicas que também ajudam a garantir a nossa privacidade?

Deixe um comentário a seguir com a sua opinião.

 

António Almeida

António Almeida

Licenciado em engenharia Informático e Telecomunicações, mestre em Sistemas e Tecnologias de Informação e doutorando em Informática é um apaixonado por todo o tipo de tecnologia. Apostava na troca de informações e acaba de criar uma rede de informáticos especialistas interessados em tecnologia.

PRÓXIMOS ARTIGOS:

Inscreva-se e Receba Grátis:

  • Últimas Notícias sobre Tecnologia
  • Promoções de produtos e serviços
  • Ofertas e Sorteios de equipamentos
Avaliar Artigo:
[0 Estrelas]

DEIXAR COMENTÁRIO:

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

AVISO:

Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de carácter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.

Categorias:

PROBLEMAS INFORMÁTICOS?
Escolha aqui um serviço!

Este site utiliza cookies para melhorar a sua experiência. Ao continuar a navegar estará a aceitar a sua utilização. Pode consultar mais informação no Centro de Privacidade.