Curiosity aterra em Marte

Curiosity enviou os primeiros sinais pouco antes de reentrar na atmosfera do planeta Marte. O tempo estará «bom» para mais uma operação ousada da agência espacial NASA, que pretende aterrar um a sonda «Curiosity» em Marte esta segunda-feira. Curiosity aterra em Marte 1 «Marte está a colaborar», disse, em conferência de imprensa, Ashwin Vasavada, um dos cientistas da equipa do Laboratório de Propulsão de Pasadena (Califórnia, Estados Unidos), responsável pelo controlo da missão, segundo cita a Lusa.

O robot Curiosity enviou os primeiros sinais pouco antes de reentrar na atmosfera do planeta Marte e da aterragem em solo marciano prevista para as 05:31 TMG (06:31 em Lisboa), anunciaram as equipas da NASA na Califórnia.
Curiosity aterra em Marte 3

“Nós recebemos sinais, parece estar a correr bem”, declarou um membro da missão de controlo, no Jet Propulsion Laboratory (JPL) de Pasadena, no Estado norte-americano da Califórnia.

[youtube id=”4ddtoZNidIM” width=”600″ height=”350″]

A Agência Espacial Norte-Americana investiu 2,5 mil milhões de dólares no Curiosity.

Lançado a 26 de novembro de 2011 do Cabo Canaveral, na Florida, o robot de seis rodas Curiosity é o maior e o mais perfeito engenho de exploração alguma vez enviado para outro planeta.

Curiosity aterra em Marte 5

Mas a sua aterragem é também a mais difícil de todas aquelas com que a NASA já se confrontou, porque o Curiosity é demasiado pesado para que o impacto seja amortecido por sacos com ar.

Por isso, os engenheiros conceberam uma espécie de “grua” com foguetões na retaguarda que susterá o robot com a ajuda de cordas de nylon nos últimos segundos da descida.

Antes disso, a nave conhecerá sete minutos de descida vertiginosa durante os quais a velocidade passará de 21.243 quilómetros por hora para 2,74 quilómetros por hora.

Um imenso paraquedas supersónico de 21 metros de diâmetro abrir-se-á logo após a largada do escudo térmico, para travar a nave abaixo da velocidade do som.

Durante esse momento crítico, duas sondas da NASA em órbita à volta de Marte, bem como uma sonda europeia, estarão à escuta de sinais do Curiosity e transmitirão os seus dados aos cientistas reunidos em Pasadena.

  “Se formos bem-sucedidos, este será um dos maiores feitos da história da exploração espacial”, afirmou hoje Doug McCuistion, diretor do programa de exploração de Marte na NASA.

Sublinhou, no entanto, que pousar o Curiosity em Marte “é muito difícil” e que “o fracasso é possível”, recordando que só 40 por cento das tentativas passadas de enviar naves a Marte foram coroadas de êxito.

“Um fracasso seria um revés, mas não um desastre”, acrescentou, afirmando que a NASA aprenderia com os seus erros e continuaria a ir em frente.

[youtube id=”BudlaGh1A0o” width=”600″ height=”350″]   As condições meteorológicas mantêm-se boas na região da cratera de Gale, onde deve pousar o Curiosity.

Uma tempestade de poeira identificada há alguns dias dissipou-se, dando lugar a uma “nuvem de poeira bastante benigna”, precisou no sábado Ashwin Vasavada, um dos cientistas que lideram o projeto.

Se o Curiosity conseguir aterrar sem problemas, levará a cabo uma missão de dois anos em Marte.

Alimentado por um gerador nuclear, tentará descobrir se o ambiente marciano foi propício ao desenvolvimento da vida microbiana.

Para tal, o robot possui numerosas ferramentas, entre as quais um mastro com câmaras de alta definição e um laser para estudar alvos até sete metros.

Outros instrumentos analisarão o ambiente para aí procurar moléculas de metano, um gás frequentemente ligado à presença de vida, já detetada em Marte em várias ocasiões por uma sonda norte-americana em órbita.

O robot poderá também furar o solo para fazer recolha de amostras e analisá-las.

Segundo com McCuistion, a missão Curiosity é “absolutamente crucial” para determinar se os terrestres estão sozinhos no universo, como Marte se transformou em planeta árido e preparar o eventual envio de seres humanos para o planeta vermelho.

A tempestade de pó localizada há alguns dias perto do local da aterragem dissipou-se e deu lugar a «uma nuvem de pó bastante inofensiva», descreveu o cientista, citado pelas agências internacionais, acrescentando que não se espera que esta nuvem venha a afetar a entrada, a descida ou a aterragem.

O veículo-robô de seis rodas, do tamanho de um pequeno carro, transporta um complexo kit de ferramentas para analisar as pedras e o solo de Marte, em busca de sinais de vida no planeta vermelho.

[youtube id=”R2B-6oCNqZM” width=”600″ height=”350″]

A operação Marte ¿ que deverá iniciar-se às 5:31 de segunda-feira (6:31, hora de Lisboa), prevê-se dramática, com direito a separação da nave especial, descida de paraquedas e aterragem lenta.

No final de uma viagem de mais de 565 milhões de quilómetros, a «Curiosity» deverá tocar a superfície de Marte quando este planeta se encontrar a 248 milhões de quilómetros da Terra.

Lançado a 26 de Novembro de 2011 e orçado em dois mil milhões de euros, o robô-explorador viaja a uma velocidade de 12.800 quilómetros por hora, mas, uma vez dentro da órbita de gravidade do planeta, deverá acelerar até aos 21.200 quilómetros por hora.

O robô Curiosity enviou os primeiros sinais pouco antes de reentrar na atmosfera do planeta Marte e da aterragem em solo marciano prevista para as 05:31 TMG (06:31 em Lisboa), anunciaram as equipas da NASA na Califórnia.

«Nós recebemos sinais, parece estar a correr bem», declarou um membro da missão de controlo, no Jet Propulsion Laboratory (JPL) de Pasadena, no Estado norte-americano da Califórnia.

A aterragem em Marte do robô Curiosity é um «feito tecnológico sem precedentes», declarou esta segunda-feira o presidente Barack Obama.

«A aterragem com sucesso do Curiosity – o laboratório mais sofisticado de sempre a aterrar noutro planeta – assinala um feito tecnológico sem precedentes, que será lembrado como um marco de orgulho nacional no futuro», disse Barack Obama em comunicado.

Curiosity é um laboratório andante de seis rodas, com dez instrumentos científicos.

Mede três metros de comprimento e 2,8m de largura, uma altura máxima de 2,1 metros e um braço para fazer experiências.

Tem 899 quilos: em comparação, o Opportunity, o Rover da NASA da geração anterior, que há mais de oito anos rola pela paisagem marciana, pesa menos de um quarto.

 

 Site oficial da missão: Curiosity

 

 O que pensa da missão do Curiosity ?

António Almeida

António Almeida

Licenciado em engenharia Informático e Telecomunicações, mestre em Sistemas e Tecnologias de Informação e doutorando em Informática é um apaixonado por todo o tipo de tecnologia. Apostava na troca de informações e acaba de criar uma rede de informáticos especialistas interessados em tecnologia.

PRÓXIMOS ARTIGOS:

  • Últimas Notícias sobre Tecnologia
  • Promoções de produtos e serviços
  • Ofertas e Sorteios de equipamentos

RECEBER GRÁTIS:

Como gostaria de receber mais informação do Informatico.pt?

Pode cancelar quando quiser clicando no link que aparece no rodapé dos e-mails.

DEIXAR COMENTÁRIO:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

AVISO:

Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de carácter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.
Whatsapp Viber Telegram Ligar Agora Skype Enviar SMS
Share on facebook
Share on pinterest
Share on twitter
Share on email
Share on linkedin

Formulário Agendamento

assistencia ao domicilio

Formulário Contato

formulario de contato