Conheça a nova PlayStation Vita por dentro

Conheça algumas das novidades que tornam o novo portátil da Sony um aparelho único.

O PlayStation Vita finalmente chegou a Portugal e, mesmo com um preço exagerado cobrado pela Sony, muitas pessoas estão ancioas por a comprar. E não é para menos, afinal, o aparelho traz um salto de qualidade impressionante se comparado a seu antecessor, a PSP.

Mas conheça exatamente o que traz de novo, e como é possível manter tudo isto numa consola de bolso. Sabe que, apesar de toda a grandiosidade, o segredo da Vita é bastante pequeno.

Se faz parte do grupo que está entusiasmado com a nova consola portátil, certamente já deve saber quais são as principais novidades que a Sony preparou. É claro que alguns desses componentes, como a adição das câmaras e a de um segundo analógico, eram melhorias já esperadas e certamente vão facilitar a vida aos jogadores.

O caso das câmaras é o maior exemplo disso. Quem tentou jogar Invizimals, para PSP, deve ter sofrido ao acoplar um acessório enorme na consola para poder usar a realidade aumentada. Com a adição das lentes, o problema acaba.

Para jogar Invizimals, é preciso de uma câmera externa. (Fonte da imagem: Divulgação/Sony )
Contudo, as maiores inovações estão nos sensores de toque. A tela OLED se destaca não apenas por trazer um recurso multitoque — o primeiro em um portátil —, mas por seu tamanho e qualidade. As cinco polegadas oferecem uma grande área para os jogos, e o contraste de cores é impressionante, deixando tudo muito mais vivo. Isso sem falar na economia de energia dos LEDs orgânicos.

O touchpad na parte de trás do console é algo que muita gente vê como tendência, principalmente em aparelhos de bolso. Apesar de não se diferenciar muito da tecnologia utilizada em notebooks, ele traz novas possibilidades de jogabilidade.
Encantou-se com o visual dos jogos? Ficou impressionado com as novidades oferecidas? Pois saiba que nada disso seria possível sem uma única peça, que funciona exatamente como o coração e a alma do PlayStation Vita.

 

O chip Sony CXD5315GG é o componente que comanda as principais funções do console. É esse pequeno chip que funciona como processador, unidade gráfica e memória — todos eles muito potentes, como você confere no infográfico acima —, economizando espaço.

Esse tipo de tecnologia “tudo em um” é o que chamamos de system on chip ou simplesmente SoC. Como o próprio nome sugere, ela é um pequena peça que integra praticamente todo o sistema, e é exatamente por isso que o Vita consegue trazer uma configuração tão potente e, ainda assim, caber em seu bolso.

O mais curioso é que essa tecnologia não é uma novidade, e muitos de nós já carregamos aparelhos assim para todos os lados. Esse tipo de componente já é usado há um bom tempo pela indústria de smartphones e tablets, e é o que permite que eles tenham o mesmo poderio de um computador — mesmo com suas dimensões diminutas.


Com o CXD5315GG, a Sony deixa o Vita muito mais próximo desses dispositivos móveis do que qualquer outro video game portátil já esteve. Basta comparar seus principais recursos para perceber as semelhanças: o chip integrado, touchscreen de alta qualidade, 3G… Não seria uma surpresa se a empresa usasse o mesmo conceito para nos apresentar um Vita Phone em breve, por exemplo.

E essas não são as únicas semelhanças entre todos esses aparelhos. Sua arquitetura de CPU e GPU — ARM Cortex A9 e PowerVR SGX543MP2, respectivamente — é praticamente a mesma encontrada nos processadores A5 da Apple, presente nos recentes iPhone 4S e iPad 2. Isso mostra que o Vita não só é muito parecido com smartphones e tablets como também divide a mesma essência.

Não é preciso ser um grande especialista para perceber que o salto de qualidade de hardware que Sony fez em relação ao PSP é enorme. Basta olhar algumas das configurações básicas dos dois consoles para ter uma noção do quanto isso é verdadeiro.

Isso é sentido principalmente na quantidade de memória disponível. Para ter uma simples noção, o PlayStation Vita tem oito vezes mais memória RAM do que seu antecessor. Em termos práticos, temos um salto de desempenho impressionante.

O CPU também evoluiu consideravelmente. Embora as diferenças de arquitetura entre os dois portáteis não permita uma comparação direta, basta olhar a frequência dos dois componentes para ver que o processamento melhorou em seis vezes.

Fonte

António Almeida

António Almeida

Licenciado em engenharia Informático e Telecomunicações, mestre em Sistemas e Tecnologias de Informação e doutorando em Informática é um apaixonado por todo o tipo de tecnologia. Apostava na troca de informações e acaba de criar uma rede de informáticos especialistas interessados em tecnologia.

PRÓXIMOS ARTIGOS:

Inscreva-se e Receba Grátis:

  • Últimas Notícias sobre Tecnologia
  • Promoções de produtos e serviços
  • Ofertas e Sorteios de equipamentos
Avaliar Artigo:
[0 Estrelas]

DEIXAR COMENTÁRIO:

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

AVISO:

Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de carácter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.

Categorias:

PROBLEMAS INFORMÁTICOS?
Escolha aqui um serviço!

Este site utiliza cookies para melhorar a sua experiência. Ao continuar a navegar estará a aceitar a sua utilização. Pode consultar mais informação no Centro de Privacidade.