Como será distribuída a Internet no futuro

 A Internet é hoje praticamente uma necessidade básica do homem moderno, já a tecnologia Wi-Fi e o número de dispositivos compatíveis tem crescido bastante nos últimos tempos.

Actualmente podemos encontrar sinal wireless em quase todos lugares como restaurantes, hotéis, aeroportos, praças publicas, escolas, etc. Porém nem sempre que precisamos temos disponível um ponto de acesso para ligar o nosso portatil, tablet ou smartphone.

Pensando em solucionar esse problema nasceu o Open802.11s  (o11s), um projeto ousado formado por um consórcio de grandes empresas (dentre elas o Google e a fundação One Laptop per Child) que buscam normatizar um novo padrão de conexão Wireless capaz de levar cobertura grátis de Internet em todas as partes do mundo por meio da criação de uma grande rede mesh  de alcance global. Todo o projeto é baseado em software livre e desenvolvido na plataforma Linux.

O site argentino RedUSERS entrevistou Javier Cardona, CEO da CozyBit, um das empresas envolvida no projeto e responsável pela parte do desenvolvimento do software que tornará o milagre possível.

Acompanhe a tradução da conversa:

O que é o11s? o11s é a implementação do protocolo 802.11s em Linux. 802.11s estende ou altera o padrão 802.11, mais conhecido como WiFi, acrescentando a cada nó a capacidade de estabelecer ligações diretas (peer-to-peer) e rotear o tráfego entre eles (multi-hopping). Isto permite criar redes WiFi que crescem automaticamente com o número de nós, essa rede tem a capacidade de  se auto configurar e também se reparar sozinha.

Imagine que você quer dar cobertura Wi-Fi para uma área relativamente grande, como um campus universitário. Hoje em dia é necessário instalar vários pontos de acesso (AP), levando um ponto de rede cabeado (ethernet) a cada um deles. Com o11s não é preciso levar cabos para cada um ponto de acesso, a rede pode ser ampliada simplesmente adicionando-se mais APs.

Esse tipo de rede são denominadas mesh, elas não são novas. O que temos de novo é que finalmente a tecnologia foi padronizada pelo IEEE, permitindo que fabricantes diferentes comecem a comercializar nodos mesh interoperáveis entre si e nossa equipe publicou o código para Linux sob GPL, o que permite adoção imediata, sem qualquer custo.

Por que só funcionam em Linux? A parte wireless do kernel do Linux é estruturado para ser fácil de estender e conta com o apoio de uma comunidade de programadores muito copetentes. Graças a isso temos desenvolvido este protocolo em uma fração do tempo teria sido necessário fazê-lo em outros sistemas operacionais. Além disso, o Linux é interessante porque é o padrão em um grande número de pontos de acesso WiFi, bem como é a base dos telefones Android. Isso abre a possibilidade de um grande número de aplicações ao nosso código.

Em que estado está o projeto? Levamos vários anos desenvolvendo o código e contribuindo com nossa experiência para grupo de trabalho do 802.11s. Hoje, o código implementa a maior parte do padrão e roda sem problemas em redes baseadas em nossa plataforma de referência da Qualcomm-Atheros. Até agora, a comunidade que tem acompanhado o projeto tem sido na maior parte composta de pesquisadores e especialistas em redes sem fio.

Isso ocorre porque o padrão 802.11s vem se desenvolvendo há vários anos e durante este tempo o documento de especificação estava disponível apenas para membros do IEEE 802.11.

Quais são os próximos desafios? Agora temos de nos preparar para dar suporte a um tipo menos especializado de usuário. Embora a nova norma ainda não tenha sido publicada, desde que foi feito o anúncio da sua aprovação, triplicaram-se o número de visitas ao nosso site. Atualmente, nosso principal desafio é fazer com que novos usuários que queiram experimentar o11s possam fazê-lo com facilidade.

Para isso devemos trabalhar para que o11s funcione com as placas wireless dos principais fabricantes (Broadcom, Intel, Marvell, etc). O objetivo é que qualquer pessoa com um laptop rodando Linux possa criar uma rede com outros computadores portáteis onde quer que estejam, seja em um avião ou em uma praça.

Como as pessoas podem ajudar os desenvolvedores? Precisamos de ajuda em várias frentes: melhorar a documentação em nosso wiki de teste, na otimização do protocolo em placas de rede diferentes, na integração das diferentes “distros” Linux, etc. Se alguém estiver interessado em contribuir sinta-se convidado, pode contactar através do nosso mailing list. E se alguém estiver disposto a se envolver profundamente… estamos contratando!

Como usuários se beneficiarão com o o11s? Existem vários tipos de usuários. Por exemplo, com o11s é muito simples de criar uma rede de laptops em qualquer lugar, sem ter que depender de uma infraestrutura Wi-Fi. Isso é útil para jogos online, compartilhamento de músicas ou vídeos, etc.

Para os fabricantes de equipamentos baseados em Linux, a vantagem é que você pode criar uma rede mesh com um investimento mínimo, isto porque o11s já é parte do Linux. Isto permite que novas aplicações, tais como a utilização de uma impressora ou TV para expandir a cobertura de rede sem fio doméstica.

Assista aos vídeos abaixo para conhecer um pouco mais sobre o11s.

António Almeida

António Almeida

Licenciado em engenharia Informático e Telecomunicações, mestre em Sistemas e Tecnologias de Informação e doutorando em Informática é um apaixonado por todo o tipo de tecnologia. Apostava na troca de informações e acaba de criar uma rede de informáticos especialistas interessados em tecnologia.

PRÓXIMOS ARTIGOS:

Inscreva-se e Receba Grátis:

  • Últimas Notícias sobre Tecnologia
  • Promoções de produtos e serviços
  • Ofertas e Sorteios de equipamentos
Avaliar Artigo:
[5 Estrelas]

DEIXAR COMENTÁRIO:

1 thought on “Como será distribuída a Internet no futuro”

  1. ainda vivemos num mundo telecomunicações muito atrasado,tentem imitar os outros com tecnologia copiada por outros, mesmo assim sai sempre errado….
    nos por cá em, Portugal quando sai uma ideia nova ,ele já tem existência mais de 10 anos á frente!!!!!!!!!!!!!!!!!!
    temos que dar os parabéns aos grandes cabeças dos cientistas dos estados unidos,quando pensamos que tudo podia começar na Europa,nunca podia porque as grandes descobertas começou durando segundada guerra que atrasou toda Europa ,até hoje!!!!!!!!!!!!!!!!
    O premeiro servidor que pensava sem ajuda humana nasceu na época da guerra,pesava cerca de 5 oooo quilos,estava situado numa sala bem grande,ai começou a ibn….
    TELECOMUNICAÇÕES POR CABO,SATÉLITE COMEÇOU SECRETAMENTE PELA ESTA ÉPOCA DA GUERRA…
    OS GRANDES CRÂNIOS DEIXAREM RAÍZES,E FAMÍLIAS COM O SEGREDOS NOS estados unidos.
    ERA DA INTERNET ELES FOREM OS PRIMEIROS USAREM NA ÉPOCA DA SEGUNDA GUERRA,POR ISSO QUE Alemanha PERDEU…..
    não foi á muito tempo que na Europa tentou plantar o sistema de satélite terrestre para comunicações com ajuda dos sistemas Americanos….
    Nos Estados unidos já lá vai 65 anos ,ou mais…..
    quando o Apolo 20 sai com satélite ,ai começou a época de Internet por satélite. já lá vai muitos anos…….
    eu nasci em 1964,já existia Internet nos Estados Unidos ,só para fins de protecção militar ,NASA,etc….
    Agora temos isto tudo ás custas deles,ainda á pessoas que que dizem inventar aquilo que já foi inventados mais anos……

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

AVISO:

Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de carácter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.

Categorias:

PROBLEMAS INFORMÁTICOS?
Escolha aqui um serviço!

Este site utiliza cookies para melhorar a sua experiência. Ao continuar a navegar estará a aceitar a sua utilização. Pode consultar mais informação no Centro de Privacidade.