Como garantir proteção à IoT na indústria

 
O Institute for Business Value (IBV) da IBM publicou um relatório sobre a “Internet of Threats”, identificando as fragilidades que as organizações do setor industrial e de serviços de utilidade pública enfrentam hoje em dia com a Internet of Things (IoT) e como as podem mitigar.

Estima-se que o mercado de IoT cresça dos 15 mil milhões de dispositivos instalados em 2015 aos 30 mil milhões em 2020 e aos 75 mil milhões em 2025. Enquanto a tecnologia IoT é usada para potenciar o crescimento da produtividade e da eficiência operativo, para solucionar problemas e criar novas oportunidades de negócio, a reflexão sobre a proteção revelou-se tardia para muitas aplicações IoT à primeira geração, criando fragilidades na rede e gerando possíveis interrupções, manipulações ou espionagem industrial.

A implementação de tecnologias IoT a um ritmo rapidamente do que a proteção é capaz de acompanhar, pode expor as organizações a perigos aos quais nem sempre estão alerta.

Para as organizações relacionadas com a indústria de produção, química, petróleo e gás e serviços de utilidade pública, as violações de proteção podem levar a contaminações, desastres ambientais e até danos privados.

Este relatório do Institute for Business Value da IBM, que parte da visão de 700 líderes de TI do setor industrial e de utilities, sublinha que são os dispositivos e sensores, seguidos pelas plataformas de IoT, as áreas mais vulneráveis das implementações de IoT.

Apesar de hoje ser já uma preocupação constante, 36% dos executivos dizem que garantir proteção à plataforma IoT e aos seus dispositivos é um desafio, enquanto simplesmente 10% das organizações que implementaram soluções de IoT estão a conseguir monitorizar repetidamente o tráfego IoT para encontrar anomalias e avaliar fragilidades.

O estudo concluiu ainda que grande parte das organizações de utilities estão ainda numa fase muito inicial na adoção de boas práticas e de tecnologias de proteção para mitigar os perigos de proteção da IoT e simplesmente uma pequena percentagem implementou em pleno práticas operativos, técnicas e cognitivas ou tecnologias de proteção específicas de IoT. Criptografia (21%), proteção de rede e autenticação de dispositivos (23%), bem como soluções de proteção avançada (17%) são algumas das principais tecnologias usadas para conceder mais proteção à IoT.

Fonte: BIT

António Almeida

António Almeida

Licenciado em engenharia Informático e Telecomunicações, mestre em Sistemas e Tecnologias de Informação e doutorando em Informática é um apaixonado por todo o tipo de tecnologia. Apostava na troca de informações e acaba de criar uma rede de informáticos especialistas interessados em tecnologia.

PRÓXIMOS ARTIGOS:

Inscreva-se e Receba Grátis:

  • Últimas Notícias sobre Tecnologia
  • Promoções de produtos e serviços
  • Ofertas e Sorteios de equipamentos
Avaliar Artigo:
[5 Estrelas]

DEIXAR COMENTÁRIO:

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

AVISO:

Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de carácter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.

Categorias:

PROBLEMAS INFORMÁTICOS?
Escolha aqui um serviço!

Este site utiliza cookies para melhorar a sua experiência. Ao continuar a navegar estará a aceitar a sua utilização. Pode consultar mais informação no Centro de Privacidade.